Frei Anastácio foi mais um entre os políticos vítimas de ‘hackers’ na Paraíba

Golpes, constrangimentos e “desculpas esfarrapadas” permeiam histórias dos ataques cibernéticos

Frei Anastácio diz que não foi o responsável por mensagens com conteúdo pornográfico. Foto: Roberto Guedes/ALPB

O deputado estadual Frei Anastácio (PT) divulgou alerta nesta semana sobre mensagens emitidas a partir do celular dele. O parlamentar alega que o dispositivo de compartilhamento de mensagens WhatsApp dele foi hackeado. Do smartphone do religioso tem partido textos desconexos e até pornografia. Este foi só mais um episódio numa longa lista de transtornos envolvendo políticos paraibanos nas redes sociais. Alguns pouco críveis, mas outros como claro viés de tentativa de extorsão no qual deputados e prefeitos se tornaram vítimas indefesas da ação criminosa.

“Venho aqui com muito respeito a todos e todas informar que pessoas inescrupulosas raquearam (sic) meu WhatsApp. Essas pessoas estão enviando mensagens indevidas e até pornografia em meu nome. Mas, fiquem sabendo que nada desde desrespeito está sendo cometido por mim. Estou tomando as devidas providências para identificar quem são esses criminosos. Muito obrigado”, disse, em nota, Frei Anastácio. A mensagem com vídeo de sexo entre dois homens foi encaminhada para o grupo do Conselho de Direitos Humanos do Estado. O parlamentar disse que vai pedir a investigação do caso.

Sem novidades

Diferente, mas não menos constrangedor foi o fato ocorrido com o ex-prefeito de João Pessoa, Luciano Agra (já falecido). No momento em que pesavam denúncias contra o ex-secretário Alexandre Urquiza, surgiu no Twitter dele uma mensagem comprometedora. Nela, Agra pedia para o auxiliar deixar o cargo na Secretaria de Transparência e ele seria recompensado. O gestor, após a repercussão negativa, veio a público alegar que o smartphone dele havia sido clonado. O fato gerou grande repercussão negativa na véspera das eleições de 2012.

Mais prefeitos

Pelo menos cinco prefeitos paraibanos foram alvos de ciberpiratas no ano passado. Os mandatários das cidades de São Sebastião de Lagoa de Roça, Massaranduba, Juazeirinho e Mogeiro. O fato mais grave ocorreu em Mogeiro, onde um auxiliar do prefeito Alberto Ferreira transferiu R$ 50 mil para uma conta privada pensando atender uma ordem do prefeito. O de Juazeirinho, Beviláqua Matias, teve mais sorte. Ele foi advertido por um amigo que estavam partindo do celular dele mensagens com pedido de dinheiro. O constrangimento, neste caso, foi apenas formal.

Nacional

O controverso deputado federal Carlos Marun (MDB-MS), hoje ministro de Governo, viveu uma situação difícil ano passado. O celular dele foi clonado e do WhatsApp partiram mensagens pedindo dinheiro a colegas parlamentares. “Sumiu tudo e trancou meu WhatsApp. Para alguns lugares foi uma mensagem pedindo dinheiro numa conta no Banco do Brasil. Mandei para a [assistência] técnica e tive que trocar o número do WhatsApp”, disse o deputado de Mato Grosso do Sul. Ele não é o primeiro membro da comissão a ter o aplicativo de troca de mensagens hackeado.

 

3 comentários - Frei Anastácio foi mais um entre os políticos vítimas de ‘hackers’ na Paraíba

  1. Mercia Disse:

    Alguem acredita em papai noel?

  2. Mercia Disse:

    Alguem acredita em papai noel e no saci?

  3. Joad Disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… a verdade sempre vem a tona.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *