Ricardo antecipa para sexta-feira fim do racionamento em Campina Grande

Perspectiva inicial era de encerramento no sábado, dia 26, quando o ex-presidente Lula estará na Paraíba

Ricardo Coutinho explica motivos que o levaram a antecipar o fim do racionamento. Foto: Max Silva

O governador Ricardo Coutinho (PSB) anunciou nesta segunda-feira (21) que o encerramento do racionamento em Campina Grande e outras 18 cidades abastecidas com água do Açude Epitácio Pessoa (Boqueirão) será encerrado um dia antes do previsto. Inicialmente, a previsão era de dobrar a quantidade de água fornecida quando o volume acumulado no manancial superasse 8,2% da capacidade total. Isso representa 33,8 milhões de metros cúbicos de água. O volume atual já chega a 8,3%, de acordo com dados divulgados pela Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba (Aesa). A anúncio ocorreu durante entrevista coletiva, em Campina Grande.

O anúncio de Ricardo Coutinho ocorre também um dia antes da nova reunião marcada por membros dos Ministérios Públicos da Paraíba e Federal para discutir a questão hídrica no Açude Epitácio Pessoa. Os dois órgãos não descartam a edição de uma recomendação para que se suspenda a irrigação com águas do açude, bem como o fim do racionamento nas 19 cidades atendidas. A possibilidade foi aventada durante reunião ocorrida na semana passada. O procurador-geral de Justiça, Betrand Asfora, por exemplo, criticou a liberação da irrigação com água de Boqueirão. Ele também demonstrou preocupação com o alerta emitido pelo Ministério da Integração Nacional a respeito do nível mínimo para garantir a segurança hídrica.

Ricardo aproveitou a entrevista coletiva para criticar a postura do Ministério Público da Paraíba. Ele pediu respeito ao governo do Estado, uma vez que o órgão tem questionado os dados oficiais sobre a segurança hídrica no manancial. Outro alvo das críticas do governador foi o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB). Neste momento, ele cobrou respeito à Cagepa. Disse que o mandatário da Rainha da Borborema tem escalado vereadores para criticar a decisão do governo de encerrar o racionamento.

Risco

O alerta sobre o risco de desabastecimento tem como base uma nota técnica do órgão federal. O Ministério considera que apenas quando o acúmulo de água no manancial chegar a 97 milhões de metros cúbicos, será possível se falar em segurança hídrica. O volume é praticamente o mesmo que motivou o início do racionamento em dezembro de 2014. Atualmente, o volume acumulado é de pouco mais de 33,8 milhões de metros cúbicos. A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) havia anunciado, com base em estudos da Aesa, que haveria tranquilidade no abastecimento com a acumulação de água acima de 8,2% da capacidade total.

O Açude Epitácio Pessoa tem capacidade para acumulação de 411,6 milhões de metros cúbicos de água. Um dos pontos que têm gerado maior temor do Ministério Público é a irrigação liberada por ANA e Aesa. Ricardo Coutinho, por outro lado, negou que haja risco de desabastecimento. Ele alega que há consenso entre os órgãos envolvidos com a gestão de águas no Estado de que os 8,2% de acumulação é o suficiente para manter a elevação da lâmina do açude, bem como ampliar o volume atualmente distribuído. A Aesa autorizou a retirada de 1,2 mil litros de água por segundo do Açude Epitácio Pessoa.

Com informações de Max Silva, do www.jornaldaparaiba.com.br

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *