Gafe: ministro fala do “combate ao trabalho decente em reunião do G20”

Assessoria do Ministério do Trabalho “troca as bolas” em divulgação

As coisas não andam mesmo boas para as bandas de Brasília. Além de o presidente Michel Temer (PMDB) estar sofrendo com ameaças de impeachment, a comunicação oficial tem dado muitas bolas fora. O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, encerrou sua participação na Reunião de Ministros do Trabalho e Emprego do G20, na última sexta-feira (19), falando sobre trabalho decente. Natural para a defesa do governo que ele representa. O problema é que a imprensa oficial cometeu uma gafe, divulgando o evento com o seguinte título: “Ministro falou do programa brasileiro de combate ao trabalho decente em reunião do G20”.

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, participou de reunião do G20 para discutir trabalho escravo. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O evento tratou sobre o desafio das grandes cadeias globais de comprar matéria-prima e componentes apenas de empresas que não adotam práticas como trabalho escravo ou infantil. Ronaldo Nogueira falou da experiência brasileira no combate ao trabalho escravo. Ele citou as operações especiais, que são realizadas com freqüência, e as conseqüências para os empregadores flagrados com empregados em situação análoga à escravidão: “O Brasil leva muito a sério as condições laborais dos seus trabalhadores. E quem desrespeita as leis não fica impune”, contou.

Os ministros e representantes de trabalhadores, empregadores e da sociedade civil que participam da Reunião de Ministros do Trabalho e Emprego do G20 elaboraram uma carta para ser divulgada ao final da reunião. O documento apresenta as preocupações e os compromissos do grupo em relação aos temas propostos no encontro deste ano: emprego juvenil, participação da mulher no mercado de trabalho, integração de migrantes, trabalho decente nas cadeias globais e o futuro do trabalho. “São temas necessários, tendo em vista a conjuntura global e a importância de discutir o futuro do trabalho” avaliou o ministro.

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *