‘Meia-sola’ acaba vazamento, mas não impede atraso na chegada das águas da transposição

Rompimento provocou o vazamento no reservatório Barreiro, em Sertânia. Imagem: Reprodução/TV Cabo Branco

Uma ‘meia-sola’ feita pelas equipes do Ministério da Integração Nacional eliminou o vazamento decorrente do rompimento ocorrido no reservatório Barreiro, em Sertânia (PE). O surgimento da cratera na barragem localizada entre as estações de bombeamento 5 e 6 (EBV-5 e EBV-6) do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco fez com que as comportas fossem fechadas, impedindo a chegada da água ao reservatório Poções, em Monteiro. A chegada era prevista para este domingo (5) e não foi fornecida nova data. Foi construído um dique na área que dava acesso a parede da barragem onde houve o rompimento.

Máquinas foram mobilizadas para construir dique com pedras de até uma tonelada para isolar o local do rompimento. Imagem: Reprodução/TV Cabo Branco

Equipes técnicas do Ministério da Integração Nacional que trabalharam durante a noite inteira para conter o vazamento no reservatório. “Eliminamos o risco de vazamento. Todo o barramento já foi verificado e não foi atingido. A segurança está mantida”, afirmou o secretário de Infraestrutura Hídrica do Ministério da Integração Nacional, Antônio de Pádua, em entrevista na tarde deste sábado (4). Ele garantiu que serão atendidas as recomendações do Ministério Público Federal de Monteiro (PB), na Paraíba. Pádua destacou, ainda, que algumas medidas já estão sendo tomadas, a exemplo das ações emergenciais. As demais recomendações serão adotadas ao longo da próxima semana.

Dique pronto, o vazamento foi eliminado e a barragem poderá receber água novamente. Foto: Divulgação

De acordo com o secretário, há cerca de 50 profissionais habilitados integrando a equipe do Ministério no local para diagnosticar as causas do vazamento. “Estamos fazendo uma série de testes e preparando um diagnóstico definitivo. A nossa preocupação em primeiro lugar é com a segurança da população e da obra”, disse Antônio de Pádua.

Segurança

Áreas da zona rural ficaram alagadas após o rompimento. Imagem: Reprodução/YouTube

O secretário destacou o comprometimento do Ministério com a segurança das obras do Projeto São Francisco e reforçou que os serviços de vistoria e de monitoramento em todos os trechos do empreendimento são feitos de forma contínua. “Fazemos esse acompanhamento em todos os reservatórios, em todas as barragens. Nós temos leituras diárias do comportamento do barramento de cada barragem”, garantiu.

Desde o primeiro comunicado sobre o vazamento no reservatório, equipes se dedicaram em tempo integral a conter a dispersão da água e garantir a segurança das famílias que vivem no entorno. Técnicos da área Ambiental e de Fiscalização do Projeto foram pessoalmente – de casa em casa – alertar os moradores de comunidades na região.

De forma preventiva, as equipes do Ministério ofereceram a remoção de cerca de 60 famílias de 10 localidades para áreas seguras. Um ginásio, uma escola municipal, um salão paroquial e o canteiro de obras do Projeto São Francisco, todos na comunidade Rio da Barra, estiveram disponíveis para abrigar temporariamente a população que poderia ter sido impactada. Como as casas não foram afetadas, apenas uma família foi removida, mas já retornou à residência.

Sobre o reservatório

As obras do reservatório Barreiro foram iniciadas em março de 2014 e finalizadas em setembro de 2015. O início do enchimento se deu em 25 de fevereiro deste ano e a saída das águas pela estrutura de controle aconteceu no dia 27 do mesmo mês, totalizando dois dias de enchimento. O reservatório, que tem comprimento de 1,91 km e 14,39 metros de profundidade, possui capacidade de 2.612.000 m³.

Com informações do Ministério da Integração Nacional

 

 

MPF recomenda que Integração Nacional garanta segurança na transposição

Áreas da zona rural ficaram alagadas após o rompimento. Imagem: Reprodução/YouTube

O Ministério Público Federal (MPF) em Monteiro (PB) recomendou no final da tarde desta sexta-feira (3) que a Secretaria de Infraestrutura Hídrica do Ministério da Integração Nacional fiscalize o rompimento no reservatório Barreiro, em Sertânia (PE), ocorrido durante a manhã. O problema ocorreu entre as estações de bombeamento 5 e 6 (EBV-5 e EBV-6) do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Imagens divulgadas nas redes sociais mostrou as águas alagando grandes faixas de terra.

O Ministério Público quer que a secretaria elabore laudo pericial que assegure que o rompimento não compromete a estrutura do manancial e garanta que a vazão da água que passa pelo canal da transposição não afetará as intervenções de recuperação e adequação das barragens de Poções e Camalaú, ambas na Paraíba, ainda não implementadas.

Na tarde desta sexta-feira, o Ministério da Integração informou que técnicos das empresas responsáveis pelas obras do Projeto São Francisco na região estão em campo tomando todas as medidas necessárias para fazer a contenção da água. Até o momento não foi identificado nenhum risco estrutural ao reservatório. As comunidades do entorno foram alertadas sobre medidas de segurança por técnicos da área Ambiental e de Fiscalização do Projeto São Francisco.

Prazo

O MPF estabeleceu prazo de cinco dias para que a Secretaria se manifeste acerca do acatamento da medida recomendada, sob pena de adoção das providências judiciais cabíveis. Cópias da recomendação serão enviadas para o Ministério Público Estadual, Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), Cagepa, Dnocs, Prefeitura de Monteiro (PB), Agência Nacional das Águas (Ana), 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, em Brasília, e à empresa PB Construções, responsável pela obra do “rasgo” em Poções.

“Casos de Rodolpho e do flanelinha são completamente diferentes”, diz advogado

Sheyner Asfora vê diferenças entre os dois casos. Foto: Francisco França

Os casos envolvendo o empresário Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva e o flanelinha Antônio Avelino dos Santos Filho são constantemente citados como similares por grande parte da imprensa. Ambos são acusados de envolvimento em atropelamentos que resultaram na morte das respectivas vítimas e respondem judicialmente por isso. As semelhanças, no entanto, na opinião do advogado Sheyner Asfora, que representa a defesa de Rodolpho, acabam por aí.

A opinião dele, para ser mais exato, é que os casos são completamente diferentes. Rodolpho se encontra em liberdade, cumprindo medidas cautelares, enquanto Avelino cumpre prisão preventiva. Durante entrevista ao blog, o advogado detalhou as diferenças entre os casos e rebateu acusações de que houve dois pesos e duas medidas do Judiciário paraibano. “Não se pode atribuir pesos iguais a casos diferentes”.

Rodolpho Carlos é acusado de ter atropelado um agente de trânsito durante uma blitz da lei seca, em João Pessoa. O caso ocorreu no dia 21 de janeiro. Já Antônio Avelino teria assumido a direção do carro de um cliente e, dirigindo sob efeito de bebidas alcoólicas, atropelou um aposentado no Centro da capital. O caso ocorreu no dia 31 de janeiro. Ele foi preso em flagrante.

Confira a entrevista em tópicos:

As diferenças
“Os casos são completamente diferentes. A primeira delas é que o senhor Antônio Avelino dos Santos Filho, citado na imprensa como flanelinha, na ocasião, foi preso em flagrante delito e teve a prisão preventiva decretada. Diferentemente de Rodolfo Carlos, que não foi preso em flagrante e que desde o primeiro momento se colocou à disposição da Justiça para colaborar com as investigações. Ele, por exemplo, entregou o veículo para a perícia e também pediu para que a autoridade policial designasse dia e hora para ele se apresentar. De modo que ele em nenhum momento criou qualquer embaraço para o curso normal da investigação.”

Pedido de prisão
“No caso de Rodolfo, a juíza de plantão (Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz) decretou a prisão temporária e tem um detalhe importante: quando ela decidiu, não levou em consideração a entrega do veículo, a disposição de Rodolpho para prestar depoimento. Ela faz, apenas ilações no sentido de que, em liberdade, o senhor Rodolpho Carlos poderia destruir provas dificultando o esclarecimento do crime. No entanto, não aponta fato concreto que pudesse justificar isso. Então, diante desta iminência da prisão, a defesa técnica impetrou um habeas corpus. Nele, demonstrou a desnecessidade da prisão temporária. A prisão temporária, para se ter uma ideia, precisa, basicamente, preencher um único requisito: o da imprescindibilidade para as investigações”.

Habeas corpus
“No habeas corpus, a defesa demonstrou que a prisão não era imprescindível para as investigações e que não era necessária a decretação da prisão temporária tendo em vista que Rodolpho Carlos estava colaborando efetivamente com a investigação criminal. Tanto é que o desembargador plantonista, Joás de Brito Pereira Filho, ao analisar toda a peça inicial e os documentos acostados, entendeu que não estava presente o requisito da imprescindibilidade para a investigação. Teria que estar configurado que ele (Rodolpho) tinha se evadido do distrito da culpa, teria que ficar caracterizado minimamente que ele tentou destruir provas, que teria, por exemplo, tentado intimidar testemunhas. Então, coisas dessa natureza. O que não ficou comprovado. Pelo contrário, ficou demonstrado que ele efetivamente colaborou com o trabalho policial. E o desembargador, em uma decisão técnica  deferiu uma liminar, pois Rodolpho Carlos estava na iminência de sofrer um constrangimento ilegal. No decorrer das investigações não houve qualquer queixa ou reclamação do delegado de que Rodolpho ou a sua defesa estive atrapalhando ou dificultando as investigações”.

Medidas cautelares
“O Poder Judiciário, ao proferir a sua decisão, suspendeu os efeitos da prisão temporária decretada e, exercendo o seu poder de cautela, impôs medidas cautelares diversas da prisão previstas no art. 319 do Código do Processo Penal. Para conhecimento, Rodolpho Carlos entregou o seu passaporte, se comprometeu em não se ausentar da comarca, se comprometeu a se recolher em sua residência no período noturno, não podendo dirigir porque também entregou a CNH (Carteira Nacional de Habilitação). Enfim, ele cumpre todas aquelas determinações impostas pelo Judiciário”.

Caso do flanelinha
“Não se pode dizer que são casos idênticos, porque em matéria criminal todo caso tem a sua particularidade. A dele é um caso de prisão preventiva. Recentemente a Câmara Criminal julgou o habeas corpus impetrado pelo advogado do senhor Avelino e, em decisão colegiada, entendeu por não conhecer o habeas corpus com o fundamento de deficiência na instrução da inicial. Então, a Câmara Criminal, de maneira técnica, não decide nesse sentido só nesse caso.”

Impunidade?
“O que se fala muito quanto à questão da impunidade? Ah, o caso caiu no esquecimento. O caso ficou impune. Não, pelo contrário. Este caso está seguindo o seu rito normal. Ocorreu o fato, houve a instauração do inquérito policial, há materialidade definida, se chegou a uma possível ou provável autoria, ele foi intimado, compareceu à delegacia em todas as oportunidades em que foi chamado pela autoridade policial. Enfim, seguiu o inquérito policial ao Judiciário, mas antes de ele ser concluído há uma denúncia. Já a imputação de que ele teria praticado um crime, ele é citado, apresenta a defesa, e vai aguardar o desenrolar da instrução criminal para produzir a sua prova e apresentar a sua versão em torno dos fatos. Isso não é sinônimo de impunidade. Haverá um julgamento, mas no momento adequado. O que se vê é que não querem uma Justiça, mas um justiçamento. Não querem que tenha um devido processo legal com todas as garantias constitucionais do acusado. Não querem isso, querem um linchamento social. E isso, a Constituição Federal não admite”.

Governistas criam blocos ‘independentes’ na Câmara de João Pessoa

Eliza Virgínia vai comandar o bloco tucano criado pelos governistas. Foto: Olenildo Nascimento/CMJP

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), vai encontrar uma novidade na abertura dos trabalhos na Câmara Municipal, na próxima terça-feira (7). A sua extensa base aliada, composta por 17 dos 27 vereadores da Casa, ganhou nas últimas horas dois novos blocos parlamentares. Os dois grupos, segundo o apurado pelo blog, continuam integrados à base governista, porém, poderão discordar pontualmente das orientações do líder do governo, Helton Renê (PCdoB). Ou seja, manterão certa independência em seus posicionamentos.

Um dos blocos será comandado pelo futuro presidente da Câmara de João Pessoa, João Corujinha (PSDC), e terá a participação ainda do Bispo José Luiz (PRB) e de Fernando Milanez Neto (PTB). O segundo grupo será formado exclusivamente por tucanos. Ele será comandado por Eliza Virgínia e contará ainda com as participações de Luiz Flávio e do atual presidente da Câmara, Marcos Vinícius. A informação corrente é a de que a oposição, composta por dez vereadores, poderá criar também blocos parlamentares nos mesmos moldes.

A criação dos blocos foi definida durante almoço realizado nesta quinta-feira (2). Procurados pelo blog, integrantes dos grupos negaram eventuais descontentamentos com o prefeito Luciano Cartaxo. A justificativa para a criação é a busca por um alinhamento ideológico definido por afinidade de pensamentos entre os integrantes de cada grupo.

Veja sugestões de compra caso, como Henrique Alves, depositem R$ 2,5 milhões na sua conta

Henrique Alves (E) pediu demissão do governo Temer após denúncias de corrupção. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Eu imagino o que você, caro leitor, deve ter pensado ao ler o título desta matéria. Certamente que estes altruísmos de terceiros depositarem US$ 832.975,98 (correspondente a R$ 2,5 milhões) na sua conta, do nada, sem avisar nem cobrar qualquer contrapartida, é coisa para poucos como Paulo Maluf (para citar um exemplo mais antigo) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Mas não custa ter esperança, afinal, investigado pela Operação Lava Jato, o ex-ministro do Turismo e ex-presidente da Câmara afirmou que terceiros depositaram e movimentaram o dinheiro, imaginem, sem o conhecimento dele. Foi essa a resposta remetida, certamente de carona no trenó do Papai Noel, à Justiça Federal de Brasília.

Alves admite ter aberto a conta em 2008 e os depósitos em questão foram feitos entre outubro e dezembro de 2011. Um dos primeiros nomes para o governo anunciados pelo presidente Michel Temer (PMDB), Henrique Alves pediu demissão do Ministério do Turismo em junho do ano passado após ser citado no acordo de delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado como beneficiário de propina. O ex-presidente da Câmara foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em razão de conta atribuída a ele na Suíça. A suspeita é de que o dinheiro foi recebido a título de suborno pago pela Carioca Engenharia.

Veja algumas dicas do que compra se alguém depositar essa dinheirama na sua conta:

1. Ferrari F599 GTB Fiorano F1

Ferrari F599 GTB Fiorano F1, avaliada em R$ 2,5 milhões. Um privilégio para poucos sortudos

 

2. Onix Joy 2017 (62 deles)

Se você tem preferência por carros e gosta de quantidade, daria para comprar 62 carros Onixs, todos com ar-condicionado e direção hidráulica

3. Cobertura no Altiplano Cabo Branco

Para quem gosta de sofisticação, o dinheiro daria para comprar um apartamento com mais de 300 metros quadrados no Altiplano.

4. Lancha de alto luxo

Ideal para quem gosta de aventuras um pouco mais afastadas do continente. Lancha Sedna CV 405

5. Dois anos nos melhores hotéis de Paris

O dinheiro daria também para bancar hospedagens nos melhores hotéis de Paris por dois anos

 

 

Em meio aos protestos petistas, ministro inicia entrega de convites para visita de Temer à Paraíba

Michel Temer virá à Paraíba acompanhado por Helder Barbalho. Foto: Beto Barata/PR

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, iniciou a remessa dos convites para as autoridades que vão estar ao lado do presidente Michel Temer (PMDB) durante visita para marcar a “chegada das águas do São Francisco à Paraíba”, no dia 9. A agenda, inclusive, está sendo divulgada com este mote, já que a previsão é de que a água comece a encher o reservatório Poções, em Monteiro, já a partir de domingo (5). A oficialização ocorre no mesmo dia em que os petistas paraibanos redobraram as críticas à supressão dos nomes dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Dilma Rousseff. Os gestores petistas foram responsáveis pela conclusão de quase 90% da obra.

Barbalho, inclusive, programou duas visitas para ele mesmo. A primeira será na segunda-feira (6), quando fará uma inspeção no reservatório e nas obras complementares. Na quinta-feira, aí, sim, ele virá acompanhado do presidente. Há muita expectativa em relação ao palanque que será montado na borda do rio Paraíba, em Monteiro. Lá estarão aliados como os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB) e José Maranhão (PMDB), mas também devem figurar (e não haveria motivo para isso não ocorrer), figuras como o governador Ricardo Coutinho (PSB). O socialista, inclusive, foi um grande opositor do impeachment de Dilma e tratava como golpista o atual presidente. O gelo demorou muito a ser quebrado.

O governador paraibano é outro que viaja nesta sexta-feira (3) a trechos da obra em Pernambuco e na Paraíba, justamente para colher os dividendos pelas obras complementares de responsabilidade do governo do Estado. Ele vai ser acompanhado do secretário de Recursos Hídricos, João Azevedo, de auxiliares e deputados da sua base aliada.

Depois de Alckmin e Cássio, Ricardo monitora obras da transposição

Ricardo Coutinho visita obras da transposição acompanhado de deputados aliados. Foto: Divulgação/Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho, acompanhado do secretário da Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia, João Azevedo, de deputados estaduais e auxiliares do governo, visita, nesta sexta-feira (3), as obras de recepção das águas do Rio São Francisco na Paraíba. Ele vai a Sertânia, no Sertão de Pernambuco, onde inspeciona a Estação de Bombeamento Vertical 6 (EBV-6), a última do Eixo Leste da Transposição. De lá, ele ainda faz vistorias no Açude Poções, em  Monteiro, e na Barragem Camalaú, na cidade de mesmo nome.

A visita do socialista acontece uma semana depois de o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB), desafeto de Ricardo, terem acompanhado o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, em vistoria nos canais, reservatórios e estações elevatórias da transposição. Alckmin, inclusive, deu entrevistas falando da importância das motobombas emprestadas ao governo federal pelo estado de São Paulo para antecipar a chega das águas em Pernambuco e na Paraíba.

Defesa

O governador paraibano tem se movimentado para que o bônus pela transposição não caia exclusivamente no colo dos seus adversários, notadamente o senador. A visão socialista é a de que a obra foi tirada do papel durante os governos petistas de Lula e Dilma Rousseff e que Ricardo Coutinho atuou na construção de várias das obras complementares. Cássio, por isso, seria um neófito nas discussões. Falo neófito para usar uma expressão mais leve. O Estado, inclusive, tem bancado propagandas na TV mostrando a atuação do governo no processo.

Apesar do tensionamento, a previsão é que o governador recepcione o presidente Michel Temer (PMDB) no dia 9 deste mês, quando ele fará uma espécie de “inauguração” da chegada da água na Paraíba. A previsão, no entanto, é que as águas da transposição de águas do Rio São Francisco cheguem à Paraíba até o dia 5, o próximo domingo. Nesta quarta-feira, o senador Cássio Cunha Lima postou fotos do bombeamento das águas e revelou que elas já estariam a 17 quilômetros do limite entre Pernambuco e Paraíba.

 

Confira a agenda do governador para esta sexta-feira

Hora: 8h30 – Início da Caravana
Local: Aeroporto de Monteiro

Hora: 9h40 – Visita à Estação de Bombeamento – EBV 6
Local: Sertânia (PE).

Hora:11h15 – Visita ao Açude Poções
Local: Monteiro.

Hora: 12h45 – Visita à Barragem Camalaú
Local: Camalaú

 

Cida Ramos vai gerir na Paraíba programa comandado por Marcela Temer

Brasília – A Primeira Dama Macela Temer durante reunião com as primeiras damas para apresentação e mobilização de ações regionais do Programa Criança Felix. (Antonio Cruz/ Agência Brasil)

O programa Criança Feliz, criado pelo presidente Michel Temer (PMDB) para ser comandado pela mulher dele, Marcela, será coordenado na Paraíba pela secretária de Desenvolvimento Humano e ex-candidata a prefeita de João Pessoa, Cida Ramos. Ela foi conduzida para a função pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) em decreto que institui o Comitê Gestor do Programa Criança Feliz. O foco do programa é atender a gestantes, crianças de até 3 anos beneficiárias do Bolsa Família e crianças de até 6 anos atendidas pelo Benefício de Prestação Continuada ou afastadas do convívio familiar por aplicação de medida de proteção.

O decreto do governador, publicado no Diário Oficial do Estado de 25 de fevereiro, atribui ao comitê a atribuição de planejar e articular os componentes do Programa Criança Feliz, ligado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. O Comitê Gestor será composto por representantes, titulares e suplentes, das secretarias do Desenvolvimento Humano, Saúde, educação, cultura e Segurança e Defesa Social. Poderão ser convidados a participar das atividades do Comitê Gestor representantes de outras instâncias, órgãos e entidades envolvidas no tema.

Na Paraíba, só a chuva é mais esperada que a transposição

Bombas começam a funcionar. Operação levará água para Monteiro. Foto: Reprodução/YouTube

O senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB) tem feito praticamente um diário sobre o percurso da água da transposição em direção ao Estado. Na sua última postagem nas redes sociais, a informação é a de que o “líquido precioso” está a 17 quilômetros do limite entre os estados de Pernambuco com a Paraíba. A previsão é a de que as águas vindas do Rio São Francisco comecem a banhar as terras paraibanas até o dia 5 deste mês, o próximo domingo. Só a chuva te sido mais esperada do que a transposição.

Levando em consideração que a água da transposição não abastecerá todos o mananciais paraibanos, resta como solução esperar também pela vinda das chuvas. Curiosamente, as águas da transposição chegam neste mês, o mês de março e de São José, espécie de padroeiro informal de toda a região. A tradição diz que se não chover até o dia 19, dia dedicado ao santo católico, as esperanças minguam em relação a uma boa estação das chuvas. E pela situação dos nosso mananciais, só chuvas de proporções bíblicas resolveriam a situação.

O relatório da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa) mostra que dos 121 açudes monitorados no Estado, apenas 26 possuem acumulação superior a 20% das suas respectivas capacidades. Pior, 66 deles possuem menos de 5% da capacidade total. Uma tragédia que assola cidades como Campina Grande, que depende do Açude Epitácio Pessoa, e as cidades que dependem de Coremas-Mãe D’água. O manancial, vale ressaltar, já não consegue atender às Várzeas de Sousa. O quadro é crítico.

 

Então, que venham as águas da transposição. Elas serão muito bem-vindas, mas aos religiosos não custa redobrar as orações a São José…

Veja vídeo: ‘Fora Temer’ foi o principal hit do Carnaval 2017

O Carnaval serve, tradicionalmente, para que os brasileiros extravasarem o que estão pensando. As críticas à política, por isso, ganham contornos humorísticos e até dramáticos. Mas neste ano, o buraco foi um pouco mais embaixo. O ‘Fora Temer’, com pedido de impeachment do presidente que substituiu a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) no ano passado, virou o principal hit da festa. Tudo reflexo da descrença na economia e na política do governo de Michel Temer (PMDB), que, citado na operação Lava Jato, é cercado por auxiliares também envolvidos em escândalos de corrupção. O desemprego forma o tripé da impopularidade. O reflexo disso foi visto nas ruas, enquanto o gestor passou o Carnaval na Base Naval de Aratu, na Bahia.

Confira alguns exemplos no vídeo: