Curtas: histórias de amor e saias justas durante ato pela transposição

Durante a “Inauguração Popular da Transposição”, em Monteiro, neste domingo (19), algumas histórias chamaram a atenção pela beleza da narrativa de pessoas que realmente se moveram de outras cidades por respeito e admiração ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas também por muitas gafes ou saias justas. Vamos elas:

“Golpista, golpista…”

Gervásio Maia cumprimenta Dilma Rousseff. Foto: Divulgação/ALPB

Não adiantou o presidente da Assembleia Legislativa, Gervásio Maia (PSB), posar para fotos e andar ao lado dos ex-presidentes Lula e Dilma, ambos do PT, do Aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, e no ato, em Monteiro. Escalado entre as autoridades para discursar, ele recebeu uma sonora vaia e foi recepcionado aos gritos de “golpista, golpista…” ao pegar o microfone para falar. Neófito entre os socialistas, o deputado começou sua fala chamando Dilma de presidente (e não de presidenta), mas o que pesou contra ele mesmo foi o longo histórico de militância peemedebista.

Jeová, de “organizador” a expulso 1

Quem acompanha o dia a dia da Assembleia Legislativa está acostumado a ver o deputado estadual Jeová Campos (PSB) se desdobrar na luta pela transposição. Pois bem, coube a ele também a mobilização para que houvesse uma sessão, mesmo que informal, para agraciar Lula e Dilma com a medalha Epitácio Pessoa, a mais importante comenda concedida pela Assembleia Legislativa. Apesar disso, o parlamentar foi “convidado” a descer do palanque para dar lugar a pessoas que, segundo ele, conseguiram credenciais “sabe-se lá como”…

Jeová, de “organizador” a expulso 2

Jeová Campos, de branco, ao lado de Lula, pouco antes de ser expulso do palco. Foto: Divulgação/ALPB

… o episódio foi descrito assim pela assessoria do deputado: “Quanto ao palco, algumas autoridades tiveram que descer para dar lugar a ilustres desconhecidos que conseguiram credenciais ‘pulseiras vermelhas’ sabe-se lá como. O deputado Jeová Campos foi um dos convidados a descer do palco. Como o parlamentar não liga para essas distinções e regalias do poder e até já tinha combinado com seu filho Vitor Campos ver o comício de Lula junto do povo, na Praça, para colher impressões dos populares, apenas concordou com a interlocutora que o interpelou com a inusitada solicitação e desceu as escadas do palco satisfeito e com o sorriso que lhe é peculiar”.

João Henrique, “o penetra”

João Henrique, apesar de adversário, posa para fotos com Lula. Foto: Divulgação

A prefeita de Monteiro, Ana Lorena (DEM), não foi convidada para participar da “Inauguração Popular da Transposição”. Isso pegou mal, mas acabou digerido por quase todos os aliados da prefeita. O deputado estadual João Henrique (DEM) era convidado natural, por ser parlamentar, mas não era esperado na solenidade por ser de oposição. Pois ele apareceu, bateu de frente com a segurança e entrou. De quebra, fez fotos com o ex-presidente Lula, como se não estivessem separados pela barreira partidária. João Henrique esteve no evento de inauguração das obras da transposição, no dia 10 de março, ao lado do presidente Michel Temer (PMDB) e do senador Cássio Cunha Lima (PSDB). A postura foi correta.

Eleitora apaixonada

Josefa Alencar tentava tirar uma foto com Lula durante o evento. Foto: Suetoni Souto Maior

Josefa Alencar, moradora de Sumé, era uma das eleitoras fiéis de Lula que foram ao evento, em Monteiro. Em conversa com o blog, ela se disse uma daquelas pessoas que não tinham direito a se alimentar três vezes ao dia antes do governo petista e tudo mudou depois disso. Atualmente trabalha como auxiliar de serviços gerais na cidade. Foi ao evento com a mãe e exibiu cartaz no qual pedia ao ex-presidente que tirasse uma foto com ela. Registro feito.

Quem pagou a conta?

Palco montado para o ato em Monteiro. Foto: Suetoni Souto Maior

Até agora ninguém sabe dizer quem pagou a conta pela estrutura montada para receber Lula. O secretário de Comunicação do Estado, Luís Torres, encaminhou resposta: “À exceção, como já havia dito, da logística de segurança, imprescindível para um público daquele porte, o governo do Estado não arcou com absolutamente nada. O governador Ricardo Coutinho participou de um visita a trecho da obra de Transposição e em seguida de um ato público de celebração das águas do São Francisco, tendo recebido institucionalmente chefes e ex-chefes de Estado”.

Sai Chico Buarque, entra o César e as críticas

As pessoas esperavam que o cantor e compositor Chico Buarque estivesse no evento, assim como o prometido por vários petistas. Mas não deu. Quem cantou para a multidão que assistiu ao espetáculo foi Chico César, paraibano de Catolé do Rocha e aliado de Ricardo Coutinho. Na cidade, vários moradores reclamaram. Queriam Flávio José cantando o “Hino da transposição”. “Poderiam ter escolhido um artista aqui da terra”, criticou um dos moradores.

comentários - Curtas: histórias de amor e saias justas durante ato pela transposição

  1. Elysio Junior Disse:

    É engraçado como tem político cara de pau, aproveitador, bajulador ou adepto do fale mal mas fale de mim. Como disse Lula em seu depoimento essa semana, muitos que tiram foto com ele só para “aparecer” e parecer “mocinhos” aos olhos do povo. Uma lástima.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *