Dom Aldo tenta nova cartada para condenar autora de carta sobre pedofilia

Dom Aldo com FranciscoO arcebispo emérito da Paraíba, Dom Aldo Di Cillo Pagotto, recorreu da decisão proferida pela Câmara Criminal de João Pessoa que inocentou a autora da carta que serviu de pivô para a queda do religioso, Mariana José Araújo da Silva. Em correspondência enviada ao Vaticano, ela denunciou o suposto acobertamento de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes por padres e seminaristas, além do envolvimento do próprio mandatário da Igreja no Estado em relações homoafetivas. O apelo foi feito à turma recursal do Tribunal de Justiça e deverá ser analisada, agora, por três juízes. Outro fato novo é que o religioso pediu o sigilo da ação e foi atendido no pleito.

A decisão que inocentou Mariana foi proferida pelo juiz Hermance Gomes Pereira, no dia 12 de setembro. O arcebispo emérito pedia a condenação dela pelos crimes de calúnia e difamação. O magistrado, ao analisar os autos, no entanto, disse que a acusação não conseguiu comprovar o “dolo, a intenção deliberada, livre e consciente de atacar a honra subjetiva da vítima, no caso da injúria ou a honra objetiva, reputação, em caso de difamação”. O magistrado explicou que a denúncia da acusação se restringe “a publicação em blogs de uma carta subscrita pela querelada (Mariana) onde são pedidas providências, em razão de suposto assédio sexual praticado pelo querelante (dom Aldo)”.

 

Carta sobre dom aldo“Vou esperar ser intimado (sobre o recurso de Dom Aldo) e quando for chamado para apresentar as contrarrazões, vou pedir a manutenção da sentença porque a sentença é justa”, ressaltou o advogado de defesa de Mariana, Iarley Maia. Já o advogado Dom Aldo, Sheyner Asfora, tem aproveitado todas as entrevistas para garantir que o arcebispo emérito não tem envolvimento com as denúncias formuladas contra ele. Em sua carta renúncia, aceita pelo Papa Francisco, Dom Aldo Pagotto, ele reconhece que cometeu erros, mas atribuiu tudo ao fato de ter confiado demais em quem não deveria. Depoimentos colhidos pelo Ministério Público do Trabalho, no entanto, trazem denúncias sérias contra o religioso.

Acusação

Carta sobre dom aldo A carta e Mariana foi o pivô da investigação coordenada pelo Vaticano, na Arquidiocese da Paraíba. Houve várias visitas canônicas ao Estado, comandadas pela Nunciatura Apostólica, a mando de Roma. Elas culminaram com a carta renúncia do arcebispo, aceita pelo papa Francisco no dia 6 de julho deste ano. A renúncia foi aceita com base no Artigo 2 do cânone 401 do Código de Direito Canônico, ou seja, por “grave causa”. De acordo com fontes da Igreja, dom Aldo Pagotto foi “convidado” a renunciar ao cargo. Para o lugar dele, foi nomeado como administrador diocesano o bispo emérito de Palmares, dom Genival Saraiva. O religioso, inclusive, fez várias mudanças na administração da Igreja.

Nos autos do processo, a defesa de Mariana fez constar trechos de depoimentos colhidos pelo Ministério Público do Trabalho, que comprovariam com a tese denunciada por ela. O MPT apura suposto esquema de exploração sexual de crianças por religiosos, inclusive com a participação de dom Aldo ou acobertado por eles. “… o arcebispo aconselhou o depoente que ‘deixasse de besteira e que vocação seria irrelevante para um jovem bonito e apreciado como o depoente, acariciando os seus órgãos sexuais”, contou um dos jovem em depoimento colhido pelo procurador do trabalho Eduardo Varandas Araruna. A peça foi inserida nas alegações finais apresentadas pelo advogado de defesa de Mariana, Iarley José Dutra Maia. Dom Aldo tenta a condenação da denunciante por injúria e difamação.

 

 

2 comentários - Dom Aldo tenta nova cartada para condenar autora de carta sobre pedofilia

  1. Mario Disse:

    Ao que parece,esta carta não foi a principal causa da queda de D.Aldo, http://www.polemicaparaiba.com.br/polemicas/luis-torres-vaticano-decreta-intervencao-na-arquidiocese-da-paraiba-e-dom-aldo-nega/ veja nessa matéria, que em Setembro de 2013 o jornalista Luís Torres publicou que a Arquidiocese da Paraíba estava tendo uma intervenção canônica, visita feita pelo bispo de Garanhus a época D.Fernando Guimarães, e a carta só foi escrita em Janeiro de 2014, então em 2013 já havia denúncias contra D.Aldo, o que motivou essa visita de D.Fernando Guimarães, ou seja muito antes dessa carta, por que D.Aldo faz questão em transferir os motivos de sua saida para a carta desta pobre mulher? Os padres da Arquidiocese ficaram atônitos com essa visita poís até então não se tinha conhecimento de nenhuma denuncia contra D.Aldo, e essa denúncia não foi feita por nenhum padre da Arquidiocese e sim pelos bispos do Regional NE II pelo motivo de D.Aldo está aceitando seminaristas expulsos de outras dioceses . A queda de D.Aldo foi nessa visita em Setembro de 2013,só que o Vaticano demora para tomar uma decisão.

  2. Newton Mota Disse:

    Onde há HOMENS há pecado. Onde há pecado, exposta está a fraqueza humana. Agora, erros pontuais, localizados, identificados, estão sendo apurados e quem for encontrado em culpa será naturalmente punido. Não tenham dúvida ! A Igreja agirá a tempo e a modo, com o rigor que o caso reclama. Já vem fazendo isto. Uma Igreja milenar não pode ser aviltada, pela simples constatação de fatos que, gravíssimos, pendem de apuração e estão sendo apurados.
    A imagem da Igreja está sendo aviltada, e isto não nos é agradável e muito menos a Deus. Inaceitável. Repugnante. A Igreja de Cristo sofre. Há problemas na nossa igreja sim, como em qualquer outra. Então, que a nossa Igreja siga em Paz, que a deixem em Paz e a ajudemos a resolver seus problemas. Nossa obrigação. Todos nós fazemos parte dela. Somos todos irmãos em Cristo ! E que atirem a primeira pedra, aquele que nunca pecou.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *