Juiz anula ato da Câmara de Patos e mantém Lenildo Morais na prefeitura

Lenildo Morais toma posse na prefeitura de Patos. Foto: Divulgação

Lenildo Morais toma posse na prefeitura de Patos. Foto: Divulgação

O juiz Gustavo Camacho Meira de Sousa anulou nesta segunda-feira (12) ato da presidente da Câmara de Vereadores de Patos, Nadigerlane Rodrigues (PMDB). A mandatária havia cancelado a sessão ocorrida na última sexta-feira (9) que deu posse ao vice-prefeito Lenildo Morais (PT), em substituição à prefeita Francisca Motta (PMDB), afastada do cargo no curso da operação Veiculação. Ex-aliado de Chica, Morais é candidato a prefeito da cidade nas eleições deste ano.

Com a decisão de Camacho, voltam a valer todos os atos editados por Lenildo Morais desde a posse, dada pela segunda secretária da Câmara Municipal, Isis Karla Alves Medeiros da Silva (PSDB). O prefeito em exercício, inclusive, já nomeou grande parte do seu secretariado e determinou que as contas da prefeitura sejam auditadas. Todos os contratos com fornecedores também estão sendo revisados, segundo ele, para reduzir os gastos.

Secretariado

Para a equipe de governo foram nomeados Arnon Medeiros (Finanças), Marcos Túlio (Administração), Gérsia Dantas (Ação Social), Arlindo Carneiro (Chefia de Gabinete), Miriam Brandão (Saúde), Claudionor Lúcio (Procuradoria) e Francisco Jacinto (Procon). Todos foram encarregados de fazer varredura em suas pastas. A Superintendência de Transportes e Trânsito (STTrans) receberá atenção especial da gestão, por causa das denúncias de corrupção na pasta. Todos os contratos de locação de veículos foram suspensos.

Morais explicou que encontrou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Patos sem funcionar e falta de medicamentos nos postos de saúde. “A presidente da Câmara Municipal revogou a posse, mas não tinha marcado uma nova. Não tínhamos como esperar, com a cidade precisando de gestão”, ressaltou o prefeito em exercício, ao falar da ação movida na Justiça para assegurar o cumprimento da decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, que determinou a posse dele.

Acusação

Francisca Motta foi afastada do cargo na última sexta-feira no curso da operação Veiculação. O TRF5 também determinou a prisão da chefe de gabinete da prefeitura, Ilanna Mota, filha de Chica, além dos prefeitos de São José de Espinharas, Renê Trigueiro Caroca, marido de Ilanna, e de Emas, José William Segundo Madruga, ex-genro de Ilanna. Também foram presos os sócios das locadoras de veículos suspeitas, Carlos Alexandre Fernandes Malta e Rafael Guilherme Caetano dos Santos.

Todos são acusados de participação em um suposto esquema de irregularidades em licitações e contratos públicos, em especial ao direcionamento de procedimentos licitatórios e superfaturamento de contratos, em razão de serviços de locação de veículos, realizados pelas prefeituras de Patos, Emas e São José de Espinharas. As fraudes investigadas envolveriam mais de R$ 11 milhões em recursos aplicados em ações dos Programas de Transporte Escolar (Pnate), Fundeb, Pró-Jovem Trabalhador e Bloco de Média e Alta Complexidade (Saúde).

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *