‘Meia condenação’ de Dilma alimenta tese de golpe

ER_Julgamento-Impeachment-Dilma-Rousseff-terceiro-dia-segunda-feira_01308292016A manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff (PT) no momento seguinte à aprovação do impedimento dela pelos senadores vai alimentar a tese de golpe parlamentar, tramado pela trinca Eduardo Cunha (PMDB)/Michel Temer (PMDB)/Aécio Neves (PSDB). A leitura é simples: se o Senado entende que houve cometimento de crime de responsabilidade e que, por isso, a petista não poderia permanecer no comando do país, nada justificaria que ela continuasse habilitada para o exercício de função pública e de poder ser eleita. Muito diferente do que ocorreu com Fernando Collor e uma visível releitura da lei.

O desfecho do processo de impeachment de Dilma sintetiza o que foi toda a caminhada dos debates desde a instalação, na Câmara dos Deputados. Os petistas e a própria ex-presidente se referia ao caso como peça de vingança do ex-presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). E eles têm razão. Foi largamente alardeada toda a condução e manobras do peemedebista para que o impeachment ganhasse peso e força para o afastamento da gestora, cujo maior crime em todo o processo foi a falta de habilidade política para sufocar as articulações.

A decisão cria as condições para que Eduardo Cunha, que terá o processo de cassação do mandato votado na Câmara dos Deputados no próximo mês, possa recorrer ao mesmo artifício. Poderá ser afastado do cargo e, mesmo assim, voltar à Câmara dos Deputados em 2019, desde que escape da praticamente certa condenação e prisão. A possibilidade foi alertada pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), líder da sigla tucana na Casa, e que é acusado pelos petistas de ser um dos artífices do “golpe”. O fato é que foi aberto um precedente gravíssimo, com potencial de livrar a cara de gente com passado muito sujo.

As votações tiveram placar expressivo, mas destoantes. Para afastar Dilma Rousseff, o resultado foi maior que o esperado. Foram 61 votos a favor e 20 contra. Já a votação que manteve a presidente habilitada foi de 42 a favor, 36 contra e 3 abstenções. Eram necessários dois terços dos senadores que a petista ficasse impedida de exercer funções públicas. “Minha solidariedade à jovem democracia brasileira. Meu inconformismo a tudo que busque golpear essa frágil construção que tanto custou ao Brasil”, disse o governador Ricardo Coutinho (PSB), um dos principais apoiadores da presidente.

O resumo da ópera é que Dilma Rousseff perdeu o mandato por causa da crise econômica revelada após as eleições de outubro de 2014. Além disso, a gestora teve a infelicidade de dar de cara com os escândalos de corrupção atingindo integrantes do governo e do seu grupo político. O fim da história todo mundo sabe. A vantagem em relação a Fernando Collor é que ela sai com todos os direitos inerentes aos ex-presidentes. Terá segurança e pessoal de apoio, já que cumpriu integralmente o primeiro mandato como presidente da República. O impeachment chegou ao fim, mas as polêmicas…

 

7 comentários - ‘Meia condenação’ de Dilma alimenta tese de golpe

  1. rubens figueiredo Disse:

    O árbitro errou aos 44′ do 2º tempo quando desvinculou a punição contra Dilma, desrespeitando a Constituição. O termo está explicito: é perda do cargo “com” perda dos direitos políticos. Por favor, o Senado não tem o direito de atentar contra a Constituição dessa forma. É inverter a hierarquia das leis.

    • Vital Pontes Disse:

      Nem tudo está perdido, acredito que a Dra. Janaina Paschoal junto com seu mentor Miguel Reale júnior, ambos defensores ferrenhos da Constituição, busquem mecanismos para que, junto ao STF, torne sem efeito tais proezas que o Congresso praticou porém, caso eles não façam isso….serão também responsáveis por patrocinarem o levante contra Dilma a exemplo da elite que organizou ” A MARCHA DA FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE” com a única finalidade de derrubar Jango no golpe de 1964.

  2. Vicente COnserva Disse:

    Os senadores conseguiram a proeza de rasgar a Constituição duas vezes. Cassa sem crime e libera havendo suposto crime. Parabéns!!!!

  3. Jômel Disse:

    Exatamente Sr.Rubens Figueiredo, o mesmo não se aplicou ao Collor. Mas acredito que irão recorrer ao Supremo, de forma que esta Sra. tenha a pena completa como ela mereçe.

  4. ivan nascimento Disse:

    Dá pra ter um pais sêrio desse jeito, afinal ha ou não ha uma contituição neste pais? Parece que não, ou vale pra uns e outro não, acho não deveria tter meio termo, aconstituição neste caso é bem explicita . Se o stj permitir essa anomalia podem rasgar essa porcaria e reescrever ela completa.

  5. Jorge Disse:

    Dilma unica mulher que mandou prender politico ladrao ,porem eles se unirao e derrubarao ela.

  6. Jorge Disse:

    Pt unico partido que esta levando agua para Ceara e Paraiba .Como pode Tasso Eunicio e Cassio derrubar o PT nas proximas eleiçoes por favor nao votem nessa caterva.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *