Andaime: Justiça Federal afasta prefeitos de Marizóplis e Cachoeira dos Índios

Ze vieira

Zé Vieira no dia em que reassumiu o mandato em Marizópolis

A Justiça Federal determinou o afastamento do cargo dos prefeitos de Marizópolis, Zé Vieira (PTB), e de Cachoeira dos Índios, Francisco Dantas Ricarte (DEM). Os dois integram o grupo de acusados de participação em um grande esquema de corrupção ativa e passiva, falsificação de documentos públicos, lavagem de dinheiro, peculato, fraude licitatória e organização criminosa. Os crimes teriam ocorrido em 16 cidades sertanejas e causado prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Zé Vieira, inclusive, chegou a ser afastado do cargo em um primeiro momento, neste ano, por causa de uma condenação anterior à investigação atual. Ele foi condenado por improbidade administrativa pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede do Recife. O ato contínuo é que ele conseguiu uma liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) para retornar ao cargo e a medida foi cassada dias depois pela própria Suprema Corte.

Francisco Ricarte também foi afastado. Crédito: Reprodução/Diário do Sertão

Francisco Ricarte também foi afastado. Crédito: Reprodução/Diário do Sertão

Vieira é acusado de ter feito ameaças ao delator do esquema denunciado na operação Andaime, Francisco Justino. Em bilhete encaminhado ao criador das empresas fantasmas que seriam utilizadas pelos gestores sertanejos para fraudar licitações, ele fez um pedido: “Seja o nosso Dirceu”. Ou seja, mesmo que esteja preso, não abra o bico. Vieira é citado na denúncia protocolada pelo procurador da República, Tiago Rafael, que resultou na prisão dos empresários Mário Messias e José Hélio na segunda etapa da Andaime, desencadeada em conjunto por Polícia Federal, Controladoria Geral da União (CGU) e Procuradoria da República.

Operação

A operação Andaime completou um ano em 16 de junho deste ano. Até o momento, 79 investigações/procedimentos foram instaurados, sendo 72 pelo MPF e sete pelo MPPB. Parte desses procedimentos já deram origem a medidas judiciais, entre elas, sete ações penais, 19 ações cautelares, oito acordos de colaboração premiada, três ações de improbidade, duas ações de corrupção empresarial, três ações de indisponibilidades de bens, além de conduções coercitivas, buscas e apreensões, afastamentos de agentes públicos, quebras de sigilo bancário e fiscal, sequestros especiais de bens, entre outras.

Já são 67 réus denunciados pelos dois Ministérios Públicos, entre gestores e ex-gestores municipais, a exemplo dos ex-prefeitos de Cajazeiras, Carlos Rafael Medeiros de Souza; de Monte Horebe, Erivan Dias Guarita; e de Bernardino Batista, José Edomarques Gomes; da prefeita de Monte Horebe, Claudia Aparecida Dias, e o marido dela; além de servidores públicos; empresários, como Mário Messias Filho (vulgo “Marinho”), Afrânio Gondin Júnior, Manoel Cirilo Sobrinho e Enólla Kay Cirilo Dantas; e engenheiros de obras, como Wendell Alves Dantas, Márcio Braga de Oliveira e Jorge Luiz Lopes dos Santos.

Desvios
Dos mais de R$ 18 milhões desviados pela organização criminosa, já foram recuperados R$ 125 mil em dinheiro (em espécie), 23 veículos e 39 imóveis, este último com pedidos de alienação antecipada já feitos pelo Ministério Público.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *