Manoel Júnior depõe nesta terça como testemunha de Cunha

MANOELjunior_Wendel Lopes_1O deputado federal Manoel Júnior (PMDB) vai prestar depoimento nesta terça-feira (30), às 15h30, no Supremo Tribunal Federal (TSE), como testemunha de defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Candidato a vice prefeito de João Pessoa na chapa encabeçada por Luciano Cartaxo (PSD), o peemedebista integrou a “tropa de choque” de Cunha durante o julgamento dele no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. A relação próxima também rendeu uma denúncia formulada pela Procuradoria Geral da República (PGR) por suposto envolvimento em tráfico de influência na Casa.

Manoel Júnior é um dos dois parlamentares peemedebistas paraibanos arrolados por Eduardo Cunha como testemunhas de defesa. O outro é o deputado federal Hugo Motta, que presidiu a CPI da Petrobras e foi o nome de Cunha para a disputa da liderança do PMDB na Câmara dos Deputados. O relator do processo no Supremo, Teori Zavaski, pediu aos parlamentares que eles escolhessem as datas para o depoimento, entre os dias 29, 30 e 31 deste mês. Os outros parlamentares arrolados foram Washington Reis (PMDB-RJ), Pedro Chaves (PMDB-GO), Edison Lobão (PMDB-MA), Fernando Jordão (PMDB-RJ), Felipe Bornier (PROS-RJ) e Saraiva Felipe (PMDB-MG).

Acusação

Os depoimentos ocorrerão na ação penal em que Cunha é réu no crime de corrupção, acusado de receber US$ 5 milhões de propina por um contrato de navios-sondas da Petrobras, no âmbito da Operação Lava Jato. De acordo com as investigações, Eduardo Cunha pressionou, a partir de 2010, o ex-consultor da empresa Mitsui e um dos delatores da Lava Jato, Júlio Camargo, para que este voltasse a pagar propina por um contrato de navios-sonda com a Petrobras, cuja negociação foi interrompida por problemas jurídicos.

 

 

 

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *