Executivo 22:25

Ministro desmente Ricardo e mantém bloqueio de R$ 17,8 milhões do viaduto do Geisel

O governador Ricardo Coutinho (PSB) não terá vida fácil com o Ministério das Cidades. Depois de falar em perseguição do governo interino de Michel Temer (PMDB-SP) por ser aliado da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o titular da pasta, Bruno Araújo, divulgou nota dizendo que o gestor paraibano cobra um privilégio indevido do Ministério. Para explicar melhor, a queixa do governador era pela subtração de R$ 17,8 milhões das contas do Estado, que seriam destinados ao viaduto do Geisel.

Foto: Francisco França

Foto: Francisco França

A queixa do governador foi feita durante a manhã desta sexta-feira (10), no lançamento da pré-candidatura de Fernando Sobrinho (DEM), em Cabedelo. O viaduto do Geisel, em João Pessoa, é tido por Ricardo como vital para colaborar com a campanha da pré-candidata do PSB a prefeita de João Pessoa, Cida Ramos. O governador acusou Temer e Bruno Araújo de perseguição e prometeu judicializar o caso.

Inicialmente, as respostas do ministro das Cidades era de que depois de uma conversa com os senadores paraibanos, principalmente Raimundo Lira (PMDB), ele tinha decidido reavaliar o caso. O discurso era esse, pelo menos, até ganhar corpo as acusações do governador, com ameaças de judicialização. A partir daí, a conversa mudou de tom. O ministro decidiu abrir o verbo e contar o que justificou, na ótica da pasta, a retomada do dinheiro.

viaduto-do-geisel-3

Simplesmente, segundo a assessoria de Bruno Araújo, o governo da presidente Dilma Rousseff liberou a integralidade dos recursos, os R$ 17,8 milhões do convênio, sem que a obra estivesse com as medições compatíveis. Traduzindo melhor, o cronograma da obra está em 22%. Por conta disso, o dinheiro só virá quando o governo do Estado apresentar medições mais avançadas para o viaduto que tinha prazo de conclusão previsto para agosto deste ano, com orçamento total de R$ 38 milhões.

“O que salta aos olhos é o governo do Estado da Paraíba buscar ter tratamento privilegiado em detrimento às centenas de obras pelo País com medições bem mais avançadas e deixadas sem pagamento pelo governo afastado. É algo que foge ao padrão da administração pública”, destacou a nota do Ministério das Cidades. Ela acrescenta ainda que vai esperar a ação do governo do Estado e para acionar a Advocacia Geral da União (AGU).

Ou seja, se o governo precisar desse dinheiro para concluir a obra sem cumprir os critérios do Ministério das Cidades, pode esperar sentado.

Confira a nota na íntegra

Nota de esclarecimento

Em relação à obra de construção do viaduto Geisel, em João Pessoa, na Paraíba, o Ministério da Cidades esclarece que, para melhor gestão do orçamento, houve a retirada dos R$ 17,8 milhões, já que o governo afastado liberou a integralidade da verba sem que a obra estivesse com o nível de medição de acordo com os critérios necessários para o recebimento do valor questionado.

Em visita à Paraíba na semana passada, o Ministro Bruno Araújo, em atenção aos senadores paraibanos, sinalizou estudar a questão da obra do viaduto Geisel, adequando o pagamento à porcentagem real de execução da obra, que hoje está em 22%.

O que salta aos olhos é o governo do Estado da Paraíba buscar ter tratamento privilegiado em detrimento às centenas de obras pelo País com medições bem mais avançadas e deixadas sem pagamento pelo governo afastado. É algo que foge ao padrão da administração pública.

Se a opção do governo paraibano é demandar judicialmente, o Ministério das Cidades vai aguardar a notificação judicial para providências pela Advocacia Geral da União e aguardará o transito em julgado da decisão.

 

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    jaime ppereura

    Voncordo vom ministro nao se deve pagar obras nao exevutadas..se nao dazem como tem por ai.governo libera o dinheiro e a construtora naao cumpre…

  2. Avatar for Suetoni
    Carlos nery

    Parabéns ao Ministro ! O Governo recentemente teve um projeto aprovado criando despesas ate com pousada para não Servidores, é uma prova q tem dinheiro no Estado, ent. Pra que mais verbas? E cuidado porque este é um ano de eleições. Outra coisa, quem é esse Governo pra falar de perseguições ? Se ele é um perseguidor ferrenho dos Servidores efetivos do Estado..

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *