João Azevedo relega a “politicagem” as críticas ao Trevo das Mangabeiras

É difícil para qualquer pessoa bem intencionada dizer que o Trevo das Mangabeiras, que será entregue nesta segunda-feira (31) pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), é ruim. De forma alguma, a obra é importante e deve ser reconhecida como total. Entretanto, é bom reforçar, são cabidas análises sobre detalhes que deveriam ter sido observados durante a sua concepção. Uma delas diz respeito à mobilidade dos pedestres, porque a passarela central ficou com cara de jeitinho.

Secretário João Azevedo. Foto: Francisco França

Secretário João Azevedo. Foto: Francisco França

Na manhã de hoje conversei com o secretário de Infraestrutura do Estado, João Azevedo. Questionado, o titular da pasta explicou que as tão faladas alças, cuja supressão virou polêmica nas redes sociais, existem. Estão sendo considerados os desvios utilizados durante a obra. O que fica por trás da Secretaria de Segurança Pública e o por trás da Secretaria Estadual de Habitação. Não há problemas quanto a isso. O mesmo não vale para a mobilidade de pedestres e ciclistas.

Chateado com a polêmica, João Azevedo creditou à política ou aos interesses políticos dos adversários do governador a origem das queixas. Disse que antes do trevo as pessoas também não tinham mobilidade adequada na passagem de Mangabeira para o Jardim Cidade Universitária. Uma declaração que se fosse um pouco mais refletida não seria feita. Afinal, é de não se acreditar que foram gastos R$ 25 milhões só pensando nos carros como modal.

A estimativa do governo é que o Trevo das Mangabeiras beneficie uma população de aproximadamente 200 mil pessoas, dos bairros que mais crescem na cidade, que são os da Zona Sul. Não há como questionar a sua importância justamente por isso. Mas é inegável que o pedestre não recebeu a mesma importância dos carros. A passarela construída é estreita e interligada por faixas de pedestres. É melhor do que o que se tinha? Certamente. Poderia ser melhor? Com certeza.

E essa opinião não é do político, do editor de política ou do blogueiro. É do cidadão…

comentários - João Azevedo relega a “politicagem” as críticas ao Trevo das Mangabeiras

  1. Thiago Pereira Melo Disse:

    Uma vergonha esse pensamento atrasado da época do coronelismo de que qualquer coisa é culpa do jogo político! Cresçam, entendam que a demanda democrática está maior que nunca e que até mesmo a participação dos profissionais (como urbanistas) na vida cotidiana cidadã e política é esperada e desejosa! Ai fica ai como “menino buchudo” não aceitando críticas e diminuindo-as a briga política! Por favor…

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *