Política 6:00

Ricardo e ricardistas deveriam aprender algo com a vitória de Cícero. Mas duvido que aprendam

Parto do pressuposto de que Ricardo Coutinho foi o melhor prefeito de João Pessoa e o melhor governador da Paraíba.

Sobre isto, encerro qualquer discussão.

Mas ele errou muito.

Foi arrogante, autoritário, perseguidor e escolheu mal as pessoas em quem deveria confiar.

Centralizador, colocou em cargos importantes da gestão pública gente sem qualquer experiência e, com essa gente, deixou o seu legado. Para o bem e para o mal.

Tanto foi traído quanto defenestrou sem nenhuma cerimônia aliados de primeira hora. É do seu estilo.

Hoje paga (justamente?, injustamente?) pelos erros que cometeu.

Amanhã? Ninguém sabe!

*****

Neste domingo (29), Cícero Lucena reentrou na cena política ao vencer a eleição para prefeito de João Pessoa.

O ex-prefeito da capital, ex-governador da Paraíba e ex-ministro de FHC nunca mais foi o mesmo (embora eleito senador em 2006) depois da prisão, em 2004, pela Operação Confraria.

Não sou daqueles que comemoram prisões de políticos como Cícero ou Ricardo. Prefiro enxergar nelas algo de muito melancólico que há em nosso jogo político.

Mas os ricardistas sempre comemoraram os resultados da Confraria.

Arrogantes como o líder, festejavam e se exibiam como coautores.

A eleição de Cícero Lucena, agora em 2020, carrega, então, uma profunda ironia. Tanto do ponto de vista político quanto sob uma perspectiva humana.

É simples assim: Cícero reentra no exato momento em que Ricardo sai, acusado de um monte de coisas e derrotado vergonhosamente nas urnas.

Não comemorem, porém, porque episódios como os da Operação Calvário – e, aí, não estou julgando méritos – só maculam e empobrecem a política paraibana.

Ricardo Coutinho e seus apoiadores deveriam prestar muita atenção nas lições dessa eleição de 2020. Mas duvido que consigam.

Continuam tão arrogantes que enfrentaram cantando vitória uma eleição perdida.

Mas a volta ao poder também traz lições.

Cícero Lucena foi reassimilado politicamente pelo eleitor de João Pessoa.

Deve, no mínimo, um mandato bom e limpo à população da cidade.