Colunista é um conservador que acredita no “herói fabricado” João Pessoa, diz Bruno Gaudêncio

Nesta terça-feira (28), publiquei aqui na coluna um texto sobre João Pessoa, liberais, perrepistas e a Revolução de 1930. Bruno Gaudêncio, mestre e doutorando em História, fez duras críticas ao meu texto numa postagem no Facebook. Transcrevo na íntegra o que Bruno escreveu. É democrático. Enriquece o debate.
Fiquei impressionado negativamente com texto “Divisão de 1930 sobrevive na PB. Estão cancelando João Pessoa?”, do jornalista Sílvio Osias. O autor demostra uma limitação enorme no quesito interpretação histórica e política na Paraíba. Para o autor a história é dividida entre heróis e vilões, perrepistas e liberais, bons e maus, como em um filme bobo. Uma postura limitada e sustentada em um maniqueísmo tão vil que causa estranheza vindo de um jornalista tão conceituado. O mundo é muito mais complexo do que esta visão binária. Uma das partes mais ridículas é quando Osias afirma: “Nas redes sociais, gente que se diz progressista defende essas posições. Na Paraíba, há perrepistas até na esquerda!”. Me pergunto: O que tem haver João Pessoa com o pensamento de esquerda? Quem o crítica historiograficamente é de direita? O que diz em pleno século XXi alguém ser definido como perrepista? Não há qualquer noção que se sustenta as afirmações do jornalista. Algo completamente anacrônico e ilógico. O fim ainda permite a pergunta que considero a mais ridícula: “Estão cancelando João Pessoa?”. O autor além de resistente ao debate sobre a desconstrução de João Pessoa, utilizar-se de uma terminologia que não condiz com seu significado atual. Falta uma leitura sobre o conceito de cancelamento. O autor acerta apenas ao compreender que existe até hoje uma batalha sobre os que preferem uma manutenção da memória de João Pessoa (uma elite local) versus aqueles que vem procurando desconstruir levando um debate ao revisionismo. De resto não esconde de que lado se encontra: dos conservadores que ainda acreditam no “herói fabricado” João Pessoa.