Mais Cultura 9:43

A educação está horrível. Sim. E Bolsonaro faz a parte dele

Leonel Brizola e Darcy Ribeiro.

Não conheço outros políticos que tenham se preocupado tanto com a educação no Brasil.

Eles enxergavam que, sem educação, não haveria um grande futuro para o nosso processo civilizatório.

É óbvio, mas a compreensão dessa obviedade não é uma unanimidade.

No final do filme Legalidade, o velho Brizola lamenta não ter conseguido, porque não lhe foi permitido, fazer o que desejava com as nossas crianças.

Nesta quinta-feira (02), uma frase amplamente noticiada chamou minha atenção: “A educação está horrível”.

Quem disse não foi um político da oposição.

Não foi ninguém da esquerda. Nem do PT. Não foi nenhum discípulo de Paulo Freire.

Não. Quem disse foi o próprio presidente Jair Bolsonaro.

Não é de hoje que a educação é um dos problemas cruciais do Brasil.

Isso vem de muito longe.

Não seria justo ignorar esforços que os governos fizeram.

Não seria correto deixar de reconhecer que houve avanços significativos.

Mas é inaceitável que o reconhecimento de que a educação no Brasil está horrível venha do presidente da República.

Porque é como se não lhe coubesse culpa alguma.

Ora, Bolsonaro está no cargo há 18 meses. Logo, logo estará na metade do seu mandato. E ele fala como se não lhe pudesse ser atribuída nenhuma responsabilidade.

Sob Bolsonaro, a educação no Brasil está ainda pior. Talvez como nunca.

Os três ministros que passaram pelo MEC e as circunstâncias em que isso se deu falam mais alto.

As crianças e os jovens do Brasil seguem à deriva.