Cinema 13:23

Pagador de Promessas é grande legado de Anselmo Duarte

Nesta terça-feira (21), faz 100 anos que Anselmo Duarte nasceu.

Tinha 89 quando morreu, em 2009.

A beleza e o charme o transformaram num irresistível galã do cinema brasileiro na década de 1950.

A estreia na direção foi com Absolutamente Certo, e a consagração, com O Pagador de Promessas.

A turma do Cinema Novo não gostava dele.

Ele não gostava da turma do Cinema Novo.

Havia insanáveis divergências estéticas e ideológicas.

Foram determinantes no Anselmo posterior a O Pagador de Promessas.

Em 1962, o filme baseado no texto teatral de Dias Gomes conquistou Cannes e fez história, levando a Palma de Ouro.

É um filme excepcional.

Diria mais: é um dos pontos altos da cinematografia nacional.

Presidindo o júri de Cannes, o jovem François Truffaut, que há pouco migrara da crítica para a direção, apertou as próprias mãos e gritou para o realizador brasileiro, que estava na plateia:

“Très bien, Duarte! Très Bien!”.

O Pagador de Promessas atravessa o tempo como o grande legado de Anselmo Duarte.