Paulo Guedes tem a mesma “doença” de Jair Bolsonaro

Aprendi ainda muito cedo com meu pai.

Incontinência verbal.

É uma verdadeira “doença”.

Faz um mal danado não só ao portador, mas também a todos os que por este são atingidos.

O presidente Jair Bolsonaro sofre de incontinência verbal.

É estratégia – dizem alguns.

É método – dizem outros.

Às vezes, pode até ser.

Mas não o tempo todo.

Quase sempre é falta de controle sobre o que vai dizer.

Já era demais ter um presidente da República com incontinência verbal, mas não era surpresa: Bolsonaro sempre exibiu esse “traço” desde que surgiu na vida pública nacional.

Agora, vemos que, além do presidente, temos sofrendo de incontinência verbal o ministro da Economia, o poderoso ministro da Economia, o Posto Ipiranga de Bolsonaro.

As falas sobre funcionários públicos parasitas e empregadas domésticas na Disney são as provas cabais da “doença” de Paulo Guedes.

E são declarações graves. Muito graves. Inaceitáveis.

Você pode até concordar com a necessidade das reformas, mas, com um pouco de bom senso, fica muito difícil acreditar que elas venham de um homem que pensa e fala como Guedes.

Com a sua inabilidade, com a sua frieza, com a sua insensibilidade, Paulo Guedes não cabe nem no mundo que ele julga ser o ideal.