João Cabral nasceu há 100 anos

Antes de ler João Cabral, ouvi João Cabral.

E fui levado à poesia dele pela música de Chico Buarque.

A admiração pelo tema Funeral de um Lavrador me conduziu àquele LP da Philips com Morte e Vida Severina pelo Teatro da Universidade Católica de São Paulo.

A montagem registrada em disco conquistara o prêmio principal do Festival Mundial de Teatro Universitário, na França.

Naquelas audições, havia a beleza permanente dos versos e também o impacto que aquele conteúdo provocava em plena ditadura militar.

Depois é que fui ler a poesia extraordinária de João Cabral, esse brasileiro imenso, homem das letras e da diplomacia, nascido tão perto de nós, ali no Recife.

Nesta quinta-feira (09), faz 100 anos que João Cabral de Melo Neto nasceu.

Para celebrá-lo, o Brasil precisa ler mais a sua poesia.