Leila Pinheiro encerra festival neste sábado em João Pessoa

Dois discos associaram a cantora paraense Leila Pinheiro à Bossa Nova.

O primeiro – Bênção Bossa Nova – foi lançado em 1989.

Com faixas em formato de medley, era uma produção de Roberto Menescal direcionada ao mercado japonês.

O segundo – Isso é Bossa Nova – é de 1994.

Fortaleceu a imagem de Leila como intérprete de Bossa Nova.

Mas ela fez muitas outras coisas ao longo de sua carreira, a partir do momento em que foi projetada num daqueles festivais da década de 1980.

Leila dedicou discos a Guinga, Ivan Lins, Gonzaguinha e ao seu contemporâneo Renato Russo.

Tem uma bela voz e – muitos não sabem – também se acompanha ao piano.

Neste sábado, Leila Pinheiro se apresenta no encerramento do Festival Internacional de Música Clássica de João Pessoa. Coincide com o instante em que gravou músicas de Cazuza em ritmo de bossa.

Ela dividirá o palco com a Orquestra Sinfônica Municipal, regida pelo maestro Laércio Diniz.

Como, em sua edição 2019, o festival faz uma homenagem aos 60 anos da Bossa Nova, é a Leila da bossa que veremos em João Pessoa.

Ela cantará acompanhada pela sinfônica e fará alguns números ao piano.

O repertório prioriza canções da Bossa Nova.

O concerto/show gratuito será às cinco da tarde no Parque Solon de Lucena.