Bolsonarismo bate em Fernanda Montenegro. Aplausos para ela!

Fernanda Montenegro chega aos 90 anos nesta quarta-feira (16).

Tudo seria festa, não fossem os absurdos ditos por Roberto Alvim, diretor da Funarte.

Dias atrás, ele chamou a atriz de sórdida e canalha.

“A foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros, publicada na capa de uma revista esquerdista, mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas, assim como demonstra a separação entre eles e o povo brasileiro”, disse Alvim.

Usando as palavras do diretor da Funarte, muitos podem dizer que o comentário dele só revela a sordidez e a canalhice dos que hoje governam o Brasil.

Mas festejemos a aniversariante.

A sua vida.

A sua trajetória.

Fernanda Montenegro é uma das maiores atrizes brasileiras de todos os tempos. É uma obviedade que precisa ser dita quando tem gente que pensa como Roberto Alvim.

Minha primeira lembrança dela é na telenovela Redenção. E a sua?

Teatro, televisão, cinema. Fernanda brilhou por onde passou.

Gregory Peck, o grande Gregory Peck de O Sol É Para Todos, curvou-se ao talento dela no momento em que a brasileira concorreu ao Oscar por sua atuação em Central do Brasil.

Ela não trouxe a estatueta para casa, mas a sua presença ali foi importante porque o cinema brasileiro, que Collor dizimara anos antes, começava a sua recuperação.

Fernanda Montenegro é daquelas atrizes que se afirmaram na televisão e conquistaram imensa popularidade fazendo novelas.

Foi o seu caminho. Sorte que tenha sido. Foi o caminho que permitiu o acesso de milhões de pessoas à sua arte.

Na juventude, foi atriz no rádio e fez teatro ao vivo na televisão. Nos primórdios da televisão brasileira.

O cinema veio depois.

Lembro dela fazendo A Vida de Jesus Cristo. Quem lembra? A Falecida, sua estreia no cinema, só vi mais tarde. Juntava Nelson Rodrigues com Leon Hirszman.

Na tela grande, a minha Fernanda é a de Eles Não Usam Black Tie. Novamente Hirszman, agora filmando o texto de Gianfrancesco Guarnieri.

A dimensão de Fernanda, a atriz extraordinária, está naquela cena em que ela “cata” feijão ao lado do marido, que é o próprio Guarnieri.

Sarney quis fazê-la ministra da Cultura.

Itamar também quis.

Fernanda recusou, elegantemente.

Elegância é uma palavra que combina com ela.

Dignidade também combina.

Fernanda Montenegro é uma grande atriz

Fernanda Montenegro é uma grande brasileira.