Gilberto Gil, Campina Grande e essa vontade de ser Nova York

Nesta sexta-feira (11), Campina Grande faz aniversário.

São 155 anos de sua emancipação política.

Aproveito a data para contar uma história.

Maio de 1988.

Gilberto Gil estava em João Pessoa para fazer uma conferência sobre racismo no campus da UFPb.

Depois do evento, foi à TV Cabo Branco gravar o programa A Palavra É Sua.

Eu e Rômulo Azevedo atuamos como entrevistadores.

Gil conversou sobre música, política, respondeu às perguntas que gravamos com alguns telespectadores.

Naquele ano, pretendia ser candidato a prefeito de Salvador, projeto que acabou não se concretizando.

Terminada a gravação, Rômulo Azevedo disse a Gil que estava preparando um especial sobre Jackson do Pandeiro para a série A Paraíba e Seus Artistas e que gostaria de ter um depoimento dele.

Gil, sempre muito solícito, disse que sim e começou a falar sobre Jackson, por quem tem grande admiração.

Foi aí que, ao lembrar de Jackson, lembrou de Campina Grande e do seu espírito cosmopolita.

E disse coisas que, com justa razão, envaidecem os campinenses.