Música 6:26

Zé Ramalho, o cara de Avôhai e Admirável Gado Novo, faz 70 anos

José Ramalho Neto, Brejo do Cruz, três de outubro de 1949.

Zé Ramalho, o cara que compôs Avôhai e Admirável Gado Novo, faz 70 anos nesta quinta-feira (03).

Lembro dele jovem, na João Pessoa do início dos anos 1970.

Vindo dos conjuntos de baile, misturava o Nordeste com o rock dos Beatles, já era louco pelos nossos violeiros e por Bob Dylan.

Foi o Zé que vi ao vivo em 1974 num show que me impressionou muito. Atlântida. Tinha uma pegada profissional. Revelava a força do artista no palco. Vinha com um repertório autoral incrível.

Zé Ramalho trocou a medicina pela música. Quando fez Avôhai, cantou a música de joelhos diante do avô. O velho José Ramalho, que era, a um só tempo, seu avô e seu pai. Seu Avôhai.

O homenageado acabara de morrer quando a música foi mostrada pela primeira vez ao público. Na Coletiva de Música da Paraíba, em 1976. Eu estava na plateia do Teatro Santa Roza e senti o que havia de belo e enigmático naquela canção.

Uns três anos depois, apresentado ao LP A Peleja do Diabo com o Dono do Céu, o grande músico Egberto Gismonti parou ao ouvir Admirável Gado Novo. “É essa aí!”, disse Egberto, resumindo tudo.

Avôhai e Admirável Gado Novo.

Para mim, são os dois maiores momentos do caminho autoral desse artista paraibano.

São canções que trazem a sua originalíssima assinatura. Que podem sintetizar o seu cancioneiro.

Vejam como elas atravessaram o tempo.

Vejam como permanecem com o frescor da juventude, do momento em que foram escritas.

Uma trilogia reúne o melhor do seu trabalho, a fase de maior criatividade, as canções que estão bem guardadas na memória afetiva do público fiel que conquistou.

Editados pela velha CBS, são os primeiros títulos da sua discografia: o LP que leva seu nome e começa com Avôhai, A Peleja do Diabo com o Dono do Céu e A Terceira Lâmina.

Quando comemorou 20 anos de carreira, Zé Ramalho regravou seu The Best num álbum duplo chamado Antologia Acústica.

Não maculou os originais e conseguiu recriá-los de um modo que poucos fariam com canções que, àquela altura, já eram verdadeiros clássicos do nosso cancioneiro popular.

Hoje, aos 70 anos, celebra a data mexendo novamente nos seus arquivos pessoais. Dessa vez, lança um CD com um registro, de quatro décadas atrás, do show A Peleja do Diabo com o Dono do Céu.

Já cantou Dylan, Beatles, Raul, Gonzaga, Jackson, a Nação Nordestina. É intérprete singular, além de autor. Como intérprete, faz com que algumas canções pareçam suas.

José Ramalho Neto. Zé Ramalho da Paraíba. Zé Ramalho.

Com suas canções, o cara que fez Avôhai e Admirável Gado Novo orgulha seus conterrâneos.