O Correio das Artes foi capa do Segundo Caderno de O Globo (2)

Retomo o tema do post anterior.

Aproveito os 70 anos do suplemento literário de A União.

Resumi assim: como o Correio das Artes foi capa do Segundo Caderno de O Globo.

*****

Geneton Moraes Neto fez no seu blog o que eu não quis fazer no Correio das Artes.

Para Geneton, o importante foi pinçar algo que estava lá no meio da entrevista com Caetano Veloso sobre cinema para – digamos – “esquentar” o conteúdo.

Para mim, o importante não era o que Caetano dizia sobre Woody Allen.

Para mim, o essencial era ter Caetano falando longamente – e tão bem – sobre um negócio que ele ama profundamente, o cinema.

*****

Uma manhã qualquer, estava na minha sala em A União quando fui chamado por Nelson Coelho, nosso superintendente.

Nelson lembrou que eu assumira a editoria do jornal e ainda não ligara para Sebastião Nery, aquele do folclore político, que era um dos nossos colunistas.

Nelson, então, ligou para Nery e passou o telefone para mim. Trocamos algumas palavras, e ele disse:

Você está de Parabéns!

Agradeci e perguntei o motivo. Será pela editoria de A União? – indaguei.

Ao que Nery respondeu:

A entrevista com Caetano no Correio das Artes repercute aqui no Rio e hoje é capa do Segundo Caderno de O Globo.

***** 

VAMOS COMER WOODY ALLEN era o título da matéria de capa, assinada por Arnaldo Bloch e Rodrigo Fonseca.

Lá estava: “Meio artístico responde a Caetano Veloso, que, em entrevista, chamou diretor americano de “careta”, “reacionário” e “cineasta pequeno”. 

O Globo resolvera repercurtir o blog de Geneton.

O texto de abertura citava a autoria da entrevista e o veículo onde fora publicado.

Gente como Domingos Oliveira, Murilo Salles, Flávio Tambellini, Walter Carvalho, Ana Maria Magalhães, Roberto Muggiati e Geraldo Carneiro, entre tantos outros, comentava as declarações de Caetano Veloso sobre Woody Allen.

*****

Minha opinião sobre o episódio:

Foi positivo que o nosso pequenino Correio das Artes tenha obtido visibilidade nacional.

Mas, desde o primeiro instante, discordei do tratamento que o querido Geneton Moraes deu à entrevista em seu blog. Nada, no entanto, que maculasse toda a admiração que eu tinha por ele.