Legrand foi um dos maiores nomes da música popular do mundo

Morreu o compositor francês Michel Legrand, um dos mestres da música escrita para cinema.

Ia fazer 87 anos em fevereiro.

A causa da morte não foi revelada.

No anos 1960, quando quis dizer que Antônio Carlos Jobim era o maior compositor popular do mundo, Vinícius de Moraes perguntou:

Quem são os outros?

Henry Mancini?

Michel Legrand?

Havia mais (Ellington, Rota), porém, ao juntar Jobim, Mancini e Legrand, Vinícius não só confirmou o tamanho do parceiro, como falou da dimensão extraordinária dos outros dois.

Lembro disso agora que leio a notícia da morte de Michel Legrand.

Foi um gigante, onde quer que tenha posto o seu talento.

O maior legado é, certamente, a música que compôs para o cinema, o território que também lhe deu mais reconhecimento.

Era, a rigor, um maestro, um músico de formação erudita a serviço de temas populares. Peças instrumentais, canções – não importa, as pequenas joias que escreveu para os filmes estão na memória de milhões de pessoas pelo mundo. Gente que nem sabe quem é o autor daquelas músicas.

Legrand trabalhou com os homens do jazz, flertou com a música que os brasileiros produziram a partir da Bossa Nova. Tocava piano, cantava lindamente.

Sabia ser complexo e simples ao mesmo tempo. Era refinado e pop.

Michel Legrand foi um dos maiores compositores de música popular do mundo.