IZA grava Divino, Maravilhoso e confirma atualidade da canção

É PRECISO ESTAR ATENTO E FORTE

NÃO TEMOS TEMPO DE TEMER A MORTE

Divino, Maravilhoso.

Essa é uma das canções mais fortes e mais políticas do Tropicalismo.

Composta por Caetano Veloso e Gilberto Gil, foi gravada há 50 anos por Gal Costa.

Também deu nome ao programa de televisão dos tropicalistas.

Na época (e depois), não foi bem entendida por uma parcela da esquerda.

A letra era considerada alienada em relação ao quadro político nacional e à necessidade de enfrentamento do governo militar.

Quase uma década mais tarde, Belchior, em Apenas um Rapaz Latino Americano, ainda contestava o conteúdo dessa canção tropicalista.

O tempo passou (meio século!), e Divino, Maravilhoso continua atual.

Tem, aliás, uma incômoda atualidade nesse Brasil de agora, embora tenha sido composta para dar conta do Brasil de 1968.

Em releitura poderosa, com uma pegada contemporânea, a gravação de IZA (em dueto com Caetano Veloso) vem confirmar a permanência da canção.

Atenção para o refrão!