Música 21:11

Aldo Parisot, mestre brasileiro do violoncelo, morre aos 100 anos

O violoncelista brasileiro Aldo Parisot, um mestre do seu instrumento, morreu neste sábado (29) nos Estados Unidos, onde morava desde a juventude.

Nascido em Natal, no Rio Grande do Norte, Parisot estava com 100 anos, completados no dia 30 de setembro.

Aldo Parisot teve uma ligação forte com a Paraíba durante os governos de Tarcísio Burity, um amante da música erudita. Esteve várias vezes em João Pessoa, tocou com a Orquestra Sinfônica da Paraíba, foi figura fundamental na realização do Curso Internacional de Violoncelo aqui realizado em 1988 e também na gravação, naquele ano, dos dois CDs da OSPB.

Em 1988, Parisot trouxe a João Pessoa três gigantes da música erudita: o violinista Josef Gingold, o violista Bruno Giuranna e o violoncelista Janos Starker.

Estive várias vezes com Parisot. Foi uma honra imensa conversar com ele, ouvir suas histórias, recebê-lo no estúdio da TV Cabo Branco para a gravação de entrevistas. O músico era um fumante compulsivo e só dava entrevistas fumando – por isto, com ele, abríamos uma exceção e permitíamos o que é terminantemente proibido num estúdio de televisão.

Aldo Simões Parisot foi professor na Universidade de Yale durante seis décadas. Tocou com grandes orquestras sinfônicas nos Estados Unidos e na Europa. Foi regido por alguns dos maiores maestros do mundo (Stokowski, Bernstein, Mehta). Foi solista, em primeira audição, de obras de grandes compositores brasileiros como Villa-Lobos, Santoro e Guarnieri. Era notável intérprete de Bach.

Sua arte está registrada em muitos discos. Sua vida foi de amor à música – como instrumentista e como formador de novos instrumentistas. Conviveu na intimidade com estrelas da música erudita e também do jazz (era amigo e recebia em casa Benny Goodman e Dave Brubeck).

Aldo Parisot era um mestre que orgulha o Brasil.

*****

Na foto 1, Parisot e seu violoncelo.

Na foto 2, Parisot aos 100 anos.

Na foto 3, Parisot e Villa-Lobos.

Na foto 4, Parisot (à esquerda) e Dave Brubeck (ao centro).