Banquete dos Mendigos é um dos grandes discos dos Stones

Nesta quinta-feira (06), faz 50 anos que os Rolling Stones lançaram o LP Beggars Banquet.

É um dos grandes discos da banda.

Banquete dos Mendigos deu início a uma nova fase da carreira dos Rolling Stones.

Há os primeiros discos, toscos, mas vigorosos.

Há a adesão à onda psicodélica, com resultados sempre inferiores aos dos Beatles.

E há, no Banquete, um retorno ao rock básico.

Sim. Uma volta, só que com amadurecimento.

Melhores execuções + domínio do estúdio.

Os quatro melhores discos dos Rolling Stones, na minha opinião, foram produzidos entre 1968 e 1972:

Beggars Banquet, Let It Bleed, Sticky Fingers e Exile on Main Street.

Entre os dois primeiros e os dois últimos, ainda há o ao vivo Get Yer Ya-Ya’s Out.

Uma das capas do álbum (há duas) é um convite para o Banquete dos Mendigos.

A capa é branca como a do Álbum Branco que os Beatles lançaram menos de duas semanas antes.

Mas, dessa vez, os Stones não quiseram soar parecidos com os Beatles.

Beggars Banquet é o oposto do White Album.

Os Beatles vieram com dois discos, 30 faixas. Os Stones, com um LP de dez faixas.

Os Beatles foram do rock básico à música experimental, passando por um monte de coisas mais.

Os Stones ficaram no rock básico. O rock básico e suas derivações.

Enquanto gravavam a faixa de abertura, Sympathy For The Devil (composta no Brasil), foram filmados por Godard. As imagens mostram que Brian Jones estava no fim.

Street Fighting Man foi a resposta da banda ao ano de 1968. Junta-se, assim, à Revolution dos Beatles.

Sympathy For The Devil abre o lado A. Street Fighting Man, o lado B. As duas permanecem no set list da banda, meio século mais tarde.

O disco tem grandes números. Guitarras saturadas e muito violão acústico. Baladas, blues, country music.

Beggars Banquet tem o melhor dos Rolling Stones.