Há 60 anos, Chega de Saudade mudou história da música popular

Vai minha tristeza

E diz a ela

Que sem ela não pode ser

Chega de Saudade.

A melodia: Antônio Carlos Jobim.

A letra: Vinícius de Moraes.

A voz e o violão: João Gilberto.

O arranjo: Jobim.

Um 78rpm da Odeon cujo take definitivo foi registrado na quinta-feira 10 de julho de 1958, há exatos 60 anos.

Chega de Saudade, na versão de João Gilberto, mudou a história da música popular brasileira e a projetou internacionalmente sob o rótulo de Bossa Nova.

Classificada no selo do disco como samba-canção, Chega de Saudade funde o velho com o novo. Tom compôs a melodia a partir de parâmetros antigos. João Gilberto trouxe a novidade na batida do violão e no modo de cantar.

Certa vez, num texto sobre João, tentei explicar assim:

A batida que João criou é a síntese do samba e a sua reinvenção. A utilização dos baixos desaparece para dar lugar a uma mão direita que percute o ritmo, enquanto a esquerda oferece acordes dissonantes num refinado desenho harmônico. A execução ilude o ouvinte: ela parece simples, mas é muito complexa. A voz nem sempre se deixa guiar pelo instrumento que a acompanha. Ora está adiantada, ora atrasada, às vezes os dois se encontram. É misterioso, preciso, perfeito. É necessário entender este diálogo para que não se incorra no erro de diminuir o artista.

Salve João!

E Tom!

E Vinícius!

E toda a Bossa Nova!