CD com tributo a Antônio Barros resgata o velho arrastapé junino

É verdade que as festas juninas vêm sendo descaracterizadas?

Claro que sim!

Vejam o exemplo de Campina Grande, que há três décadas se orgulha de fazer o Maior São João do Mundo.

Nem vou comentar. A polêmica que houve no ano passado fala com grande eloquência sobre o que estou dizendo.

Pois bem. Um CD lançado há pouco percorre o caminho inverso ao da descaracterização da nossa festa regional.

Forró, Festa e São João.

É assim que ele se chama.

É um projeto coletivo capitaneado por Flávio José e Targino Gondim.

O repertório de 15 faixas começa com três marchinhas de Antônio Barros. Três clássicos absolutos do repertório junino popularizados pelo Trio Nordestino: Brincadeira na Fogueira, Naquele São João, É Madrugada.

Antônio Barros aparece ainda em Pra que Fogueira, Não Vou Chorar e Rompeu Aurora. E é parceiro de Cecéu, Targino Gondim e Carlinhos Brown em Sou São João. Cantando, o disco traz a família toda: Antônio Barros, Cecéu e a filha Mayra Barros.

Não vou mencionar todos. Só alguns. O CD reúne Flávio José, Targino Gondim, Jorge de Altinho, Alcymar Monteiro, Maciel Melo, Genival Lacerda, Trio Nordestino, Waldonys, Elba Ramalho, Nando Cordel, Santanna, Assisão, Joquinha Gonzaga, Anastácia.

É muita gente boa!

No texto que assina na capa interna, Flávio Leandro resume tudo:

“O CD Forró, Festa e São João é, antes de tudo, uma fotografia. O melhor retrato do forró no pós-gonzaga. A imagem de um grande acontecimento: a união dos alfaiates deste gênero, na costura da bela colcha de retalhos da cultura popular nordestina”.