Marielle e o déficit civilizatório que se vê nas redes sociais

O ministro Luiz Fux falou em déficit civilizatório nesta quinta-feira (15).

Ele disse que é o que há num ato como o assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL do Rio de Janeiro.

Mas meu post não é sobre a fala do ministro Fux.

Quero apenas aproveitar a expressão dele – déficit civilizatório – para afirmar, também a propósito do assassinato de Marielle, que é isso o que se vê nas redes sociais.

Fiquei estarrecido e indignado.

Ontem, os haters de extrema direita ultrapassaram todos os limites permitidos pelos marcos civilizatórios.

Não há senso de humanidade, solidariedade, respeito.

Não há nas reações deles nada que possa ser considerado minimamente aceitável.

O que há é um retrato cruel do homem guiado pelos sentimentos mais sórdidos, menos compatíveis com o humano.

O ódio que move esses haters entre a mais feroz intolerância e a psicopatia nos faz pensar muito tristemente sobre o nosso destino como nação.

Os da minha geração não verão o Brasil reconstruído.