O frevo segundo Antônio Nóbrega

Alguns amigos tropicalistas de Pernambuco detestam.

Claro, por causa do vínculo de Antônio Nóbrega com Ariano Suassuna e o Armorial.

Acho bobagem.

Não custa reconhecer que Nóbrega é um grande artista.

Tocando, cantando, dançando.

Em tudo o que faz.

Como é carnaval, o folião que há em mim ouve frevo pernambucano no sossego do lar.

E é aí que entram dois discos absolutamente antológicos feitos para celebrar o centenário do frevo, uma década atrás.

Nove de Frevereiro e Nove de Frevereiro 2. Não é FEvereiro. É FREvereiro.

Os dois compõem um retrato do frevo tirado por Antônio Nóbrega. Um retrato muito particular. O passado, o presente, os temas instrumentais, os frevos cantados, o popular, o erudito, a alegria esfuziante, a melancolia, o espírito fugaz do carnaval. Está tudo no repertório que Nóbrega nos oferece nesse trabalho primoroso que só um grande artista como ele produziria.

Seguem as capas.