50 anos esta noite. Nunca houve um festival como aquele!

Na noite deste sábado, 21 de outubro de 2017, faz 50 anos de um momento muito importante para a música popular brasileira.

Na noite de 21 de outubro de 1967 (um sábado como hoje), foi realizada em São Paulo a final do III Festival da Música Popular Brasileira.

As quatro primeiras colocadas dão a dimensão do que aconteceu naquele festival.

Caetano Veloso ficou em quarto lugar com Alegria, Alegria.

Chico Buarque ficou com o terceiro lugar com Roda Viva.

Gilberto Gil foi o segundo colocado com Domingo no Parque.

E Edu Lobo foi o grande vencedor com Ponteio.

O festival teve Roberto Carlos (Maria, Carnaval e Cinzas), Erasmo Carlos (Capoeirada), Geraldo Vandré (Ventania), Nana Caymmi (Bom Dia), Nara Leão (A Estrada e o Violeiro), Elis Regina (O Cantador), Sérgio Ricardo (Beto Bom de Bola), Johnny Alf (Eu e a Brisa).

As quatro primeiras colocadas apontam para a divisão que havia na MPB.

Edu e Chico se identificavam com a esquerda nacionalista, pós Bossa Nova.

Caetano e Gil propunham uma ruptura, incorporando as guitarras elétricas à MPB.

Os quatro apareceram ali com canções que hoje estão nas antologias da música popular brasileira.

O festival deu dimensão nacional a Caetano Veloso e Gilberto Gil e marcou o início do movimento tropicalista.

Um bom programa para este sábado: ver (ou rever) o documentário Uma Noite em 67.

Segue o link da minha coluna Sexta de Música, na CBN João Pessoa, que ontem foi sobre o festival que agora completa 50 anos.

Nunca houve um festival como aquele!