Tremendão, gigante gentil, bad boy, Erasmo é sensacional!

Entre os 68 e os 74 anos (agora está com 76), Erasmo Carlos lançou cinco discos.

Não é comum.

Erasmo (ilustração de Ricardo Leite) é sensacional!

Estou aqui reouvindo o Tremendão. Como faço sempre.

Ele tinha 68 anos quando fez Rock’n’ Roll. Autoral, inédito, visceral, antenado com as sonoridades contemporâneas e fiel às suas fontes.

Sexo veio aos 70. Caetano havia falado um bocado de sexo quando se juntou à Banda Cê. Erasmo foi fundo. Creio que, na música popular do Brasil, só ele mesmo foi tão fundo. E como é bom de ouvir!

Para completar a trilogia, achei que o próximo disco se chamaria Drogas. Mas seria óbvio demais. O que veio aos 73 anos foi Gigante Gentil. Um pouco mais contido do que os dois anteriores. A porção balada sobrepondo-se ao rocker.

Uma trilogia de autor, toda nova, vigorosa!

Mas Erasmo achou pouco.

Entre Sexo e Gigante Gentil, veio um álbum duplo ao vivo, celebrando a trajetória de 50 anos. E, depois de Gigante Gentil, outro ao vivo, dessa vez, dedicado aos lados B.

Do rock para a Jovem Guarda. Da Jovem Guarda para os caminhos que amadureceram seu trabalho e aproximaram o artista da chamada MPB. Erasmo é um homem do rock, mas, para além deste, é um compositor de música popular brasileira, com dezenas, dezenas e mais dezenas de pérolas do nosso cancioneiro.

Tremendão, gigante gentil, bad boy, Erasmo Carlos é um dos nossos grandes!