Roberto Carlos é muito bom na voz de Teresa Cristina!

Estou entre os que defendem a tese de que o melhor intérprete de Roberto Carlos é ele mesmo. Tendo a identificar um certo preconceito quando vejo alguém dizendo que só gosta das canções dele com outras vozes. Parece argumento de quem ouve apenas o que se convencionou chamar de MPB, território no qual, desde os anos 60 do século passado, o Rei não caberia. Bobagem. Com sua voz nasal e pouco extensa, Roberto Carlos é um grande cantor, um dos nossos mais expressivos. E o seu repertório ainda não encontrou intérprete mais adequado do que ele. O que não nos impede de reconhecer que também é bom ouvi-lo com cantores e cantoras que o gravaram.

Na segunda metade da década de 1970, no auge da atuação das patrulhas ideológicas, Nara Leão dedicou um disco inteiro às canções da dupla Roberto & Erasmo Carlos. E o fez como se estivesse gravando um LP de Bossa Nova. Foi muito criticada, mas, guiada certamente por sua elegância, não deu a mínima para o que disseram seus críticos. Na primeira metade da década de 1990, foi a vez de Maria Bethânia, que não surpreendeu ninguém quando lançou o CD “As Canções que Você Fez Pra Mim”. Afinal, foi ela que, antes do Tropicalismo, disse ao mano Caetano Veloso que prestasse atenção na vitalidade da Jovem Guarda, o programa de televisão de Roberto Carlos.

Os intérpretes do Rei me ocorrem agora que estou reouvindo o CD “Teresa Cristina + Os Outros = Roberto Carlos”. Meu primeiro contato com a cantora foi quando ela gravou, ao lado do grupo Semente, um songbook de Paulinho da Viola. Trabalho sensível que a projetou entre as cantoras brasileiras da sua geração. Projetou, mas a manteve presa ao universo do samba, o que não era necessariamente positivo para a sua carreira. Mais tarde, os discos de Teresa Cristina revelavam que ela sentia outras coisas que não eram o samba. Este, leva o desejo às últimas consequências ao trazer a sambista cantando Roberto Carlos acompanhada por uma banda de rock.

O CD remete a uma coincidência muito feliz. Em seus últimos últimos discos de carreira, Erasmo Carlos teve ao seu lado jovens músicos da cena indie do Rio de Janeiro. Como ocorre com Teresa Cristina, que se junta ao grupo Os Outros para esta releitura de Roberto Carlos. As razões dela para debruçar-se sobre este repertório devem ser as mesmas dos demais (e não são poucos) que já gravaram o Rei: todos, no fundo, o adoram. Como milhões de brasileiros que há décadas ouvem seus discos e veem seus shows. O resultado é bom até para quem prefere RC com RC.

O repertório de 14 faixas não é óbvio. Mescla lado A e lado B em quase 60 minutos de pura satisfação. Tem Roberto & Erasmo várias vezes, tem Roberto sozinho (“Quando”) e também músicas de outros autores que se incorporaram ao cancioneiro do artista (“Como 2 e 2”, “O Moço Velho”, “Não Serve Pra Mim”). Os arranjos são fortes e vibrantes e têm uma permanente “pegada” roqueira. O disco atualiza Roberto Carlos sem perder de vista a fidelidade aos originais. Nem o que existe de melancólico nas suas canções.