Odebrecht bancou disco de Tom Jobim, mas não era segredo!

Vocês sabiam que a Odebrecht pagou para Tom Jobim gravar um dos seus melhores discos?

O álbum duplo foi distribuído como brinde no Natal de 1987 e só chegou ao público em 1995, após a morte do artista, com o título de Tom Jobim Inédito.

Vejam a capa. Em seguida, falo do disco.

No final dos anos 1980 e início dos 1990, os fãs incondicionais de Antônio Carlos Jobim sofriam porque não podiam ter em sua discoteca esse álbum duplo. A distribuição, gratuita, ficara restrita aos amigos e clientes da Odebrecht. O disco virou uma raridade até 1995, ano seguinte à morte de Tom, quando, afinal, foi comercializado. Primeiro, em CD duplo da BMG Ariola. Depois, numa edição simples (mas integral), até hoje disponível no catálogo da gravadora Biscoito Fino.

O jornalista Sérgio Cabral (pai do ex-governador) conta na sua biografia de Tom Jobim que a iniciativa partiu da museóloga Vera Alencar, que fizera algo semelhante com Dorival Caymmi em 1985. O brinde era da CBPO (Companhia Brasileira de Projetos e Obras), subsidiária da Odebrecht.

“O disco, produzido por Jairo Severiano, ficou tão bom que não estará muito longe da verdade quem disser que é o melhor disco de Tom Jobim”, afirma Sérgio Cabral.

As gravações de Tom ao piano e da sua voz foram feitas num estúdio improvisado na casa do compositor.

Em 24 músicas, todas antigas, temos um irretocável retrato do maior compositor popular do Brasil. Com exceção de uma seresta de Villa-Lobos, todas são de sua autoria.

Tom Jobim Inédito, que celebrou os 60 anos do artista, é de um tempo em que ninguém imaginava a Odebrecht e a classe política como protagonistas desse espetáculo de promiscuidade do Brasil de 2017.