No Dia de Finados, um pouco da morte no cinema

A arte imita a vida. Recorro ao clichê para dizer que o cinema está cheio de vidas. E de mortes.

No Dia de Finados, que tal um pouco da morte no cinema?

A primeira imagem que me ocorreu quando fui fazer o post foi essa. O cavaleiro que volta das cruzadas e joga xadrez com a morte. O Sétimo Selo, obra-prima de Ingmar Bergman.

o-setimo-selo

Uma casa cheia de tons vermelhos. Uma mulher moribunda e uma criada que cuida dela. A morte com dor e muito sofrimento em Gritos e Sussurros, outro Bergman impressionante.

gritos-e-sussurros

Um casal homoafetivo mata um amigo. O corpo é escondido numa arca transformada em mesa. Os convidados vão jantar sobre ela. Festim Diabólico, de Alfred Hitchcock, é teatro filmado em extensos planos-sequência.

festim-diabolico

A morte como escolha. A despedida, os amigos, o tempo, a vida. As Invasões Bárbaras, de Denys Arcand.

as-invasoes-barbaras

De Olhos Bem Fechados. A morte passa por perto do médico interpretado por Tom Cruise. Há algo de premonitório? Stanley Kubrick morreu antes que o filme estivesse totalmente pronto!

de-olhos-bem-fechados

Um paramédico atormentado vê nas ruas de Nova York os pacientes que ele não salvou. Vivendo no Limite, filme perturbador de Martin Scorsese.

vivendo-no-limite

Um rapaz louco pela morte. Uma velhinha louca pela vida. O amor dos dois. Ensina-me a Viver, de Hal Ashby.

ensina-me-a-viver