Pedro Osmar faz autocrítica no Face e diz que não é minimamente razoável no palco

O compositor Pedro Osmar usou seu perfil no Facebook para fazer uma autocrítica. Foi depois de um show na sexta-feira (28) com o irmão Paulo Ró.

Pedro disse que não é um artista minimamente razoável no palco e que sua incompetência é gritante.

“Eu devo parar com esses experimentos”, diz o guerrilheiro cultural.

Pedro Osmar

Transcrevo:

Ontem à noite, fui com Paulo Ró fazer a apresentação do Jaguaribe Carne na Budega Café e Arte, nos Bancários. Foi uma apresentação bem Musiclube, nada executiva, onde eu me convenci, definitivamente, que não sou um artista de palco minimamente razoável. Minha incompetência é gritante e impaciente comigo mesmo. Mas isso quando vamos para o palco em dupla (mas Paulo Ró se segura muito melhor que eu). Eu me convenci que o Jaguaribe Carne é melhor quando está em banda, rodeado dos músicos amigos que tanto nos fundamentam tecnicamente.

E qual a diferença do Jaguaribe Carne que esteve na abertura do show de Tom Zé no Teatro de Arena do Espaço Cultural e a apresentação da Budega ontem? A resposta é uma só: o apoio luxuoso de uma banda, com os bons músicos que sempre nos apoiaram, é o segredo. Xisto Medeiros e Marcelo Macedo (nossos produtores e diretores de cena) e os apoiadores fundamentais: Guegué Medeiros e Helinho Medeiros, Uirá Garcia, Uaná Barreto e Michel Felipe. Este é o segredo de um trabalho mais competente de palco!

Eu dou a mão à palmatória: não adianta insistir em fazer apresentações “Solo” ou “Duo”, eu não tenho capacidade de segurar a onda sozinho. Eu devo parar com esses experimentos. Paulo Ró, ao contrário, ainda tem capacidade para aguentar alguns anos à frente, apesar de também já mostrar sinais evidentes de cansaço físico. Eu confesso: eu sou um João do Vale da música paraibana. Um criador de músicas. E gosto de ser assim. E viva a música da Paraíba!