“Aquarius” é um grande filme. Muito além dos protestos ao redor

Acompanho Kleber Mendonça Filho desde quando ele atuava como crítico de cinema no Recife. Excelente crítico. Como os melhores.

Depois vieram os filmes. Surpreendente o curta Recife Frio.

Mais tarde, a estreia na ficção de longa metragem. O Som ao Redor confirmava que Kleber era da linhagem dos cineastas bem-sucedidos quando migram da crítica para a direção. Feito Truffaut ou Godard, os exemplos que logo me ocorrem.

Kleber Mendonça Filho não venceu somente o primeiro grande desafio (deixar de ser crítico para ser cineasta). Acaba de vencer outro: realizar um segundo filme tão bom quanto o primeiro. Ou talvez melhor.

Sônia Braga Aquarius

Aquarius, em cartaz nos cinemas brasileiros desde a última quinta-feira (01), é um grande filme. No nível de qualquer grande filme realizado no mundo atualmente.

O tema da resistência, traduzido no comportamento da personagem de Sônia Braga, combina com os que aplaudem o filme com o mesmo sentimento que levou Kleber e equipe a um protesto contra o governo Temer no Festival de Cannes. Mas seria reducionista vê-lo apenas por esse prisma.

O protesto de Kleber foi legítimo, como será se o filme for escolhido para representar o Brasil no Oscar e ele quiser repetir a manifestação na cerimônia de entrega das estatuetas.

Mas tudo isso parece diminuir Aquarius.

Um filme com os méritos que esse ostenta não pode estar circunscrito às paixões do Brasil de hoje.

Impressiona em Aquarius (como em O Som ao Redor) o fato de que estamos diante de um realizador excepcional. Como nenhum outro que vimos surgir no Brasil desde que o cinema nacional começou a se recuperar da destruição imposta pelo governo Collor.

Kleber Mendonça Filho soube, com maestria, transformar teoria em prática. O que ele escrevia como crítico virou filmes. O domínio da arte de fazer cinema está em cada momento de Aquarius.

A construção da trama, as suas tensões, o texto, as sutilezas da narrativa, as marcas de originalidade, a dimensão humana dos personagens, as referências, a direção de atores, o uso da trilha pré existente, os ruídos de fora – tudo é enormemente bem resolvido. Como já era em O Som ao Redor.

Posso dizer que ver Aquarius é uma experiência fascinante e perturbadora. Mas a verdade é que não há palavras que traduzam o prazer estético de assistir a um filme de Kleber Mendonça Filho!