Academia de Cinema faz eleição, divulga vencedor, mas não revela números

A Academia Paraibana de Cinema realizou nesta quinta-feira (25) eleição para ocupar a cadeira deixada vaga com a morte do cineasta Linduarte Noronha, ocorrida no início de 2012.

O vencedor foi Cláudio Marzo Cavalcanti de Brito. Ele disputou com José Nilton e Ricardo de Albuquerque Moreira.

A comissão eleitoral divulgou o nome do vencedor no início da noite, mas não revelou os números da eleição.

Conversei com um dos integrantes da comissão que presidiu o pleito e ouvi dele que esta é a posição da comissão: não divulgar os números da eleição.

Estranho. Muito estranho.

Que motivos levariam à não divulgação dos números de uma eleição?

Isso é compatível com as regras que devem prevalecer num país democrático? Com a transparência que exigimos de todos?

Por mais fechada que seja a entidade, é justo e correto que ela não revele os números de um pleito?

Em que condições se deu a disputa para preencher a cadeira que era ocupada por uma figura tão importante como Linduarte Noronha?

O realizador de Aruanda é um nome que orgulha a Paraíba. Com seu filme, ele projetou o nosso estado nacionalmente. Até internacionalmente.

Se a Academia Paraibana de Cinema se pretende séria, se tem respeito por quem está fora dela, esses números não podem ser escondidos.

Os números envergonhariam a academia?

Eles não seriam representativos nem ao menos do conjunto da entidade?

Eles seriam insuficientes para dar legitimidade ao pleito?

Ficam as perguntas. Aguardamos as respostas.

Mas esperamos, sobretudo, pela divulgação dos números!