Mais Cultura Música Vídeos 9:48

A música e Tacy de Campos são o melhor de “Cássia Eller, o Musical”

O público de João Pessoa está vendo “Cássia Eller, o Musical” neste final de semana (29, 30 e 31) no Teatro Paulo Pontes, do Espaço Cultural José Lins do Rego.

É mais um espetáculo (depois de Tim Maia, Cazuza, Elis Regina) que mistura teatro e música para contar a história de um grande nome da canção popular do Brasil.

Por coincidência, na madrugada deste domingo, vi o ator Ney Latorraca, no programa “Altas Horas”, se queixar, mesmo que sutilmente, do excesso de comédias em pé e musicais biográficos na atual cena teatral brasileira, em detrimento de uma dramaturgia mais clássica e vigorosa.

O comentário dele talvez aponte para soluções narrativas e dramáticas que, aos olhos do consumidor mais exigente de teatro, estão fartamente presentes e comprometem espetáculos como este que conta a vida de Cássia Eller.

De todo modo, na outra ponta, há algo de muito positivo nesses musicais, na medida em que eles cumprem o papel de mexer com a memória e a emoção do público, trabalhando num universo tão rico e expressivo quanto o da nossa canção popular.

“Cássia Eller, o Musical” tem uma estrutura simples. Uma eficiente banda no fundo do palco e um pequeno elenco que encena, em ordem cronológica, alguns episódios da vida de Cássia Eller, grande intérprete da cena musical dos anos 1990.

As questões da sexualidade, os excessos que podem ter levado à morte prematura aos 39 anos, a opção por se manter à margem a despeito do êxito comercial – o musical trata abertamente desses temas.

Mas o principal (e o melhor mesmo!) é a música. As canções vão se incorporando à narrativa para também contar a história. E, no conjunto, oferecem um retrato dessa artista tão extraordinariamente talentosa do Brasil de apenas duas décadas atrás.

Muito mais cantora do que atriz, Tacy de Campos brilha intensamente e engrandece o espetáculo. Impressiona, convence, arrebata. E, por vezes, nos dá a sensação de que Cássia Eller está ali no palco, a poucos metros de nós, que estamos na plateia.