No livro de Elio Gaspari, há uma imprecisão sobre Chico e censura

Chico Buarque Doc 3

“Severamente perseguido pela censura, Chico Buarque de Hollanda foi para a Itália em 1969, onde viveu por mais de um ano. Para driblar a censura, compunha com o nome de Julinho da Adelaide”.

O texto está no epílogo de “A Ditadura Acabada”, de Elio Gaspari. O quinto e último volume da obra mais completa sobre a ditadura militar brasileira acaba de chegar às livrarias.

Do jeito que está construído, o texto sugere que Chico (na foto, durante as filmagens de “Artista Brasileiro”) usou com mais frequência o nome de Julinho Adelaide. Mas não é fato. Julinho aparece como autor apenas de “Acorda, Amor” e “Jorge Maravilha”.

“Acorda, Amor” foi incluída no disco “Sinal Fechado”, de 1974. “Jorge Maravilha” foi gravada para o mesmo LP, mas ficou de fora.

Na verdade, o que o compositor usou para driblar a censura foram as muitas armas da palavra escrita, que domina como poucos.

A imprecisão não macula o admirável trabalho de Elio Gaspari.