Ricardo vendeu dificuldade antes de anunciar a facilidade de pagar o 13º

Ricardo Coutinho anunciou na noite desta quarta-feira (15) o pagamento de metade do 13º salário dos servidores estaduais, que será feito nessa sexta (17). O anúncio foi feito através do Twitter e na sua tuitada o governador aproveitou para dar uma estocada no prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, que fez comunicado idêntico no início da semana, com pompa e circunstância, através de trabalhadas entrevistas à imprensa.

“(Serão) 127 mi (milhões de reais) na economia junina. Sem coletiva”, escreveu Ricardo.

Apesar da alfinetada, ao inaugurar pavimentação de ruas em Mangabeira, o governador não deixou de abordar o pagamento do 13º nas entrevistas que concedeu na manhã desta quinta-feira (16) e, ao meio dia, sua secretária de Administração, Livânia Farias, foi escalada pela comunicação governamental para exaltar o ‘feito’ do chefe em programas de rádio da Capital.

Além desses movimentos que expõem a semelhança entre as estratégias de divulgação e promoção de Ricardo e Cartaxo, custa nada lembrar que até o meio desta semana o governador vendia ao distinto público que enfrentava enorme dificuldade para para fazer o pagamento finalmente anunciado e confirmado.

Após a tuitada, a dificuldade revelou-se, portanto, mais uma tremenda facilidade com que nossos governantes usam de artimanhas para se apresentarem ao mesmo distinto público como heróis ou no mínimo protagonistas de grandes façanhas. Mesmo que a façanha signifique transformar o salário pouco e ruim do servidor de Estado ou município em peça ou argumento de propaganda pessoal.

Atualizando: RC anuncia 13º e alfineta Cartaxo e Cássio

Ricardo Coutinho anunciou na noite desta quarta-feira (15) o pagamento de metade do 13º salário dos servidores estaduais, que será feito nessa sexta (17). O anúncio foi feito através do Twitter e na sua tuitada o governador aproveitou para dar uma estocada no prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, que fez comunicado idêntico no início da semana, com pompa e circunstância, através de trabalhadas entrevistas à imprensa. Quem puxar mais um pouco pela memória vai lembrar que a alfinetada estende-se a Cássio Cunha Lima, que quando governador também convocou entrevista para anunciar 13º. Confira a postagem:

RC E O 13º

‘Vingança maligrina’: Renan ameaça impichar Janot

Revoltado com o Doutor Rodrigo Janot, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) confessou publicamente que pode usar os seus poderes de presidente do Senado para viabilizar o andamento de um pedido de impeachment do atual Procurador-Geral da República. Apesar de desaconselhado por diversos dos seus pares, tanto nos bastidores como no plenário, Renan está um pote até aqui de mágoa e deu sinais visíveis de que perdeu a habitual frieza com que tenta encarar reveses como o pedido de prisão contra a sua pessoa formulado ao Supremo pelo Ministério Público Federal. Mais sobre o assunto você pode ler no Estadão (politica.estadao.com.br), que em sua versão impressão está com a primeira página desta quinta (16) desse jeito:

BROESP11: ESTADO-PRIMEIRA-PAGINAS  [SP_A] ... 16/06/16

Deu na Folha: peemedebistas confirmam detalhes da delação de Machado

Sob o título ‘Partilha ingrata’, a nota de abertura da coluna Painel da Folha de São Paulo de hoje diz que  “ao menos um ponto da delação de Sérgio Machado é confirmado por pessoas que viveram os bastidores do PMDB em 2014”. Refere-se ao fato de Michel Temer ter reassumido naquele ano o comando do partido “para arbitrar a distribuição de R$ 40 milhões encaminhados pelo PT, depois de caciques da Câmara reclamarem que só senadores eram beneficiados”. Acrescenta que Temer voltou a presidir o seu partido em julho de 2014, quando a Câmara era presidida por Henrique Alves e a liderança do PMDB na Casa estava entregue a Eduardo Cunha.

Pra começo de conversa

Depois de 42 anos militando no jornalismo impresso, estreio neste blog o que seguramente será o meu ‘canto do cisne’ no ofício de escrever informação e opinião. Os conteúdos publicados neste espaço serão distribuídos nas categorias ‘Fatos’, ‘Pitacos’, ‘Ctrl+V’ e ‘Litteris’, conforme o menu exposto no alto da página.

O enunciado de cada uma das categorias induz naturalmente aos respectivos propósitos. Notícias em ‘Fatos’, opiniões em ‘Pitacos’, matérias de destaque publicadas em outros espaços da Internet em ‘Ctrl+V’ e escritos especiais de convidados especialíssimos deste blogueiro em ‘Litteris’.

Com tal composição e semelhante à coluna que publiquei ininterruptamente nos últimos 13 anos em diferentes veículos da imprensa paraibana, o Blog do Rubão traz o compromisso de sempre deste jornalista: conduzir-se com verdade e ética em cada palavra que levar ao conhecimento do leitor.

Precisando…

Agradeço desde já o prestígio de sua honrosa leitura e me coloco à disposição para divulgar ou comentar assuntos de indiscutível e legítimo interesse da Paraíba e de meus concidadãos. Contatos e colaborações poderão ser encaminhadas por Facebook, Twitter, Instagram, Whatsapp e mensagens para os seguintes endereços de email: rubensnobrega@uol.com.br, rubensnobrega2@yahoo.com.br e rubensnobrega57@gmail.com.

Atenciosamente,

Rubens Nóbrega.

A pequenez de um gesto que deslustra a obra que a cidade aplaude

Rubens Nóbrega

Suetoni Souto Maior avaliou em seu blog que o prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, “subiu no muro” quando excluiu os nomes da presidente Dilma Rousseff e do presidente interino Michel Temer da placa de reinauguração do Parque Solon de Lucena. Mas, para além da ‘tucanice’ aventada pelo competente jornalista, o gesto é a mais perfeita tradução da mesquinhez política que o alcaide deve enxergar nas críticas à ‘reforma da Lagoa’, obra entregue domingo (12) a uma população que seguramente aplaude e a reconhece como importante para a cidade.

A exclusão cometida deve ser vista também como expressão de reprovável deslealdade intelectual, porque omite um dado absolutamente inafastável da história dessa obra: o Governo Federal é o grande patrocinador da chamada revitalização do parque da Lagoa. Cerca de 92% ou mais dos recursos lá empregados saíram dos cofres da União. Foram liberados justamente pela presidente que o prefeito hoje ignora e com ela rompeu tão logo sua então aliada e correligionária caiu em desgraça perante a opinião pública por conta da crise política que abala o Brasil desde o final de 2014.

Dnit inicia este ano obras na BR 230 sem o viaduto que cedeu ao Estado

Rubens Nóbrega

Mais de R$ 300 milhões serão investidos pelo Governo Federal em melhorias e alargamento da BR 230 na Grande João Pessoa. O dinheiro será aplicado na adequação da capacidade da rodovia ao seu atual e futuro volume de tráfego. Vai beneficiar especificamente o trecho compreendido entre o Km Zero, em Cabedelo, e o Km 28.1, no entroncamento com a BR 101 em Oitizeiro, na Capital. A obra deverá ser iniciada ainda este ano pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Segundo o engenheiro Rainer Branco, chefe da unidade do órgão em Santa Rita, até o final do mês deverá ser publicado o edital de licitação da obra, que já contaria com R$ 150 milhões alocados no Orçamento Geral da União (OGU) para este ano. Com esses recursos, o Dnit poderá executar ainda em 2016 boa parte das ruas laterais e da terceira faixa de rolamento a ser implantada nos dois sentidos da BR, conforme projeto aprovado desde o final de 2014.

Originalmente, o projeto contemplava um viaduto no Geisel, mas no final de 2013 o Governo do Estado pediu e conseguiu autorização do Dnit – além de R$ 20 milhões do Ministério das Cidades – para construir, isoladamente, a obra que vem sendo executada entre o estádio Almeidão e a nova Central de Polícia, na mesma rodovia.

Samu monta esquema especial para evento com Dilma no Espaço

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) de João Pessoa colocará sua unidade especial com toda estrutura de uma UTI à disposição de Dilma Rousseff enquanto ela estiver em solo paraibano nesta quarta-feira (15). A providência é praxe durante visita de chefe de governo a qualquer outro lugar do país fora de Brasília. A informação foi prestada há pouco ao Blog do Rubão pelo jornalista Eduardo Carneiro, secretário de Comunicação Social da Prefeitura de João Pessoa.

Eduardo Carneiro esclareceu ainda que o Samu instalou um posto no Espaço Cultural com todos os profissionais (médicos, enfermeiros, técnicos etc.) e equipamentos necessários a atendimentos de emergência durante a audiência pública que a Assembleia Legislativa promove à tarde na Praça do Povo com a presença da Presidente da República. “Teremos ainda motolâncias e uma ambulância do Hospital Clementino Fraga à disposição do público, além de toda a rede de saúde do município de prontidão e em alerta para qualquer ocorrência”, acrescentou o secretário.

Os esclarecimentos da Comunicação da Prefeitura foram necessários porque desde cedo desta quarta circulou boato nas redes sociais sobre uma suposta negativa do governo municipal a um pedido da Assembleia para que o Samu colocasse equipes e viaturas a serviço da multidão esperada para o evento com Dilma. Eduardo Carneiro disse também que o posto fixo no Espaço será compartilhado com o Corpo de Bombeiros e o Clementino Fraga.

SMS DIVULGA NOTA

No final da manhã, a Secretaria Municipal de Saúde divulgou a seguinte nota a respeito dos serviços que mobilizou para a permanência da presidente Dilma em João Pessoa:

A Secretaria Municipal de Saúde informa que, para acompanhar a audiência pública da presidenta afastada Dilma Rousseff, será disponibilizado o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), por meio de uma Unidade de Saúde Avançada e, toda a rede hospitalar e de Pronto Atendimento (UPAS) do município estará a disposição como retaguarda.

O evento contará também com um posto fixo para atendimentos de saúde e com equipes do corpo de bombeiros que dará assistência a todo público presente”.

Professor vê mesquinharia e dor de cotovelo em críticas à obra da Lagoa

Rubens Nóbrega

“Pense num debate mesquinho, inócuo e inútil!”, comentou o Professor Menezes nesta terça-feira (14) sobre a guerra de notas e pronunciamentos em torno de possíveis defeitos da reforma realizada pela Prefeitura de João Pessoa no Parque Solon de Lucena. O embate tem como protagonistas auxiliares e partidários do prefeito Luciano Cartaxo de um lado e, do outro, vereadores de oposição e porta-vozes oficiais e oficiosos do governador Ricardo Coutinho.

O mestre avalia que a oposição está perdendo e perdida nesse confronto, porque apega-se a detalhes que seriam facilmente abafados e rapidamente esquecidos diante do ‘conjunto da obra’. Menezes acredita que terão melhor proveito na estratégia de queimar o filme do prefeito os oposicionistas que investirem na celeridade e divulgação das investigações sobre o suposto superfaturamento de R$ 9,6 milhões que a CGU (Controladoria-Geral da União) levantou ano passado na ‘obra da Lagoa’.

A quantia, lembra o Professor, corresponde à soma dos valores pretensamente desviados dos serviços de desassoreamento da Lagoa, com a retirada e transporte da lama escavada para o aterro sanitário metropolitano. Também entra nessa conta a construção do túnel projetado para dar vazão até o Rio Sanhauá, na Cidade Baixa, do acúmulo de água que transborda e alaga o anel viário interno a cada chuva mais intensa.

“A reforma ficou bacana e as reações a ela expõem uma evidente dor-de-cotovelo de quem teve a chance e os meios para fazê-la e nada fez”, disse Menezes, numa estocada com endereço certo, porque seguramente remete a Ricardo Coutinho, que foi prefeito da Capital por um mandato e meio e não fez qualquer intervenção recuperadora da Lagoa, um logradouro de referência da cidade que nos últimos 50 anos sofreu processo de acentuada degradação.

Prefeito se expõe ao ridículo quando anuncia pagamento de salário

Rubens Nóbrega

A necessidade de produzir ou protagonizar sucessivos fatos políticos que pretensamente melhoram a imagem de governante virou obsessão em muitos detentores de poder em ano eleitoral, seja ele prefeito da cidade mais remota e pequena do país, seja ele governador do Estado mais pobre do Brasil. E se o mandatário estiver em plena campanha para se reeleger, aí então é que “o bicho pega” ou “o couro come”. Porque nesse elenco tem artista capaz de inaugurar lombada, calçada e até semáforo. Ou até mesmo de chamar a imprensa para anunciar que vai pagar salário de servidor, como se dever tão comezinho de gestão pública fosse um favor ou grande realização de governo.

Foi o que fez nesta segunda-feira (13) o prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, ao ‘conceder’ dezenas de entrevistas para dizer que vai pagar salário e metade do décimo-terceiro do funcionalismo até o final do mês. Nada original ou inédito, contudo. Nos anos 90 e começo deste milênio, pelo menos dois governadores usaram a regularidade do pagamento da folha de pessoal em propagandas que promoviam a figura de ambos como administradores competentes e eficientes. Nesse embalo, Ronaldo Cunha Lima (1991-94) e José Maranhão (1995-2002) chegaram ao ponto de transformar tabelas de pagamento de salário em trabalhadas peças publicitárias divulgadas em jornais, rádios e tevês da Paraíba. A custo bastante elevado para o erário, como sói.

Mas deve ter sido Cássio Cunha Lima, sucessor de José Maranhão no governo, a grande inspiração ou o espelho onde se mirou o prefeito de João Pessoa. Afinal, quando governou a Paraíba de 2003 a fevereiro de 2009, o hoje senador e líder do PSDB no Senado Federal nem piscou para convocar uma coletiva de imprensa e nela comunicar ao mundo o feito extraordinário de um pagamento antecipado do décimo-terceiro. Talvez justificasse canhestramente tamanha pompa e circunstância o fato de durante aquele período o então governador tucano ter se envolvido em evidentes dificuldades para pagar a folha do Estado em dia. De uma forma tal que na época o servidor era obrigado a contrair empréstimo em banco para receber o próprio salário. Tendo o Estado como avalista e pagante dos juros e demais encargos inerentes à operação, claro.

Luciano Cartaxo não foi, portanto, “o inteligente que inventou” essa história de alçar uma obrigação básica de governo ao nível de gesto magnânimo do poderoso da hora. Mas, como ele e outros fizeram e fazem, parece até que cada um deles tira dinheiro da carteira para distribuir com os pobres funcionários da Prefeitura da Capital ou do Estado. Que merecem o título de pobres porque são realmente mal pagos em sua quase totalidade e ainda têm que enfrentar, coitados, os ‘chefes’ da hora fazendo pouco da inteligência deles e de todos os governados. Sem se dar conta do ridículo que cometem, além de tudo, porque a artimanha ou patranha é tão patética quanto estranha em qualquer outro Estado ou capital brasileira.