Trânsito de Campina mata mais que o de João Pessoa

Acidentes matam quase três paraibanos por dia (Foto ilustrativa: Ministério das Cidades)

Quase três pessoas perdem a vida a cada dia em acidentes de trânsito na Paraíba. Em 2016, Campina Grande registrou 246 mortes, 25 a mais que João Pessoa

Os dados são do Sistema de Informação sobre Mortalidade, da Secretaria de Estado da Saúde (SIM/SES). Vale lembrar que 2016 não foi um ano atípico. Numa série histórica dos últimos cinco anos, Campina mantém o posto de de campeã de mortes no trânsito, entre os municípios paraibanos.

Os dados surpreendem porque João Pessoa tem 801.718 habitantes e Campina Grande somente um pouco mais da metade disso, 407.754 (IBGE). Enquanto a frota de Campina gira em torno de 150 mil veículos, a de João Pessoa é mais do que o dobro, com mais de 320 mil veículos (Detran).

Motocicletas colocam Campina no topo

O superintende de Transportes e Trânsito de Campina (STTP), Félix Araújo Neto, acredita que a causa maior de Campina figurar no topo do ranking entre os municípios em mortes de trânsito é a motocicleta.

“O mototáxi é um fenômeno que João Pessoa não experimenta. Temos 1.000 mototaxistas legalizados e mais de 4.000 clandestinos. São aproximadamente 150.000 veículos na cidade, sendo aproximadamente 50.000 motos”, afirmou.

PRF confirma letalidade maior em CG

A pedido do blog, o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Eder Rommel Andrade, analisou o trânsito nas rodovias federais que cortam apenas as duas maiores cidades da Paraíba, sem considerar as cidades vizinhas nos dados estatísticos.

Segundo Rommel, os pavimentos dos trechos das duas BRs que passam por Campina são muitos bons. “Assim sendo, não contribuem para acidentes. Um detalhe interessante é que a BR-230 registra um número bem maior de acidentes em JP do que em CG. No entanto, o grau de letalidade é, em números relativos, bem maior em CG”, confirmou.

Velocidade: acidentes mais violentos

O inspetor também considerou que, com menos veículos na via (Campina tem frota menor que JP), corre-se mais. Daí, acidentes mais violentos, resultando em mortes. A PRF também considera o grande número de motocicletas e ciclomotores na região de CG como complicador para o aumento da letalidade dos acidentes em Campina Grande.

Em vídeo, a explicação do inspetor

  • Andréa Batista, jornalista/produtora de conteúdo freelancer

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *