A pedido do MP, Polícia vai investigar rinhas de galo em Bayeux

(Foto: Ilustração/petrede.com.br)

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Bayeux requisitou a instauração de inquérito policial para apurar a prática de crime de quadrilha envolvendo rinhas de galo organizadas no município localizado na Grande João Pessoa.

No último dia 5, 32 animais foram apreendidos e oito pessoas foram presas, durante uma operação realizada pelo Batalhão da Polícia Ambiental para desarticular uma rinha de galo na cidade. Além dos galos, a Polícia encontrou diversos materiais utilizados na prática criminosa para potencializar os golpes dos animais, como esporas, biqueiras, tesouras e anabolizantes.

As pessoas detidas foram multadas administrativamente e vão responder por crime de maus-tratos contra animais, previsto no artigo 32 da Lei Federal nº 9.605/98. A pena para esse crime é a de detenção, de três meses a um ano, e multa.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Bayeux também instaurou procedimento para acompanhar o caso, uma vez que alguns dos detidos já responderam pela prática de outras rinhas de galo no município.

Caso constatada a associação de três ou mais pessoas para a prática reiterada de rinhas de galo, os investigados poderão ainda responder por crime de quadrilha, podendo ser punidos com detenção pelo período de um a três anos.

Para a promotora de Justiça Fabiana Lobo, “quem promove ou participa de rinhas de galos está cometendo crime”. “Essa prática cruel contra animais será intensamente fiscalizada e punida na cidade, pela parceria constante entre o Batalhão da Polícia Ambiental, a Polícia Civil e o Ministério Público de Bayeux”, destacou.

  • Da Assessoria de Comunicação do MPPB

Comente A pedido do MP, Polícia vai investigar rinhas de galo em Bayeux

  1. alberto magno de oliveira Disse:

    Há controvérsias nas afirmações de que briga de galo é crueldade,ao contrário do que se é entendido,a briga de galo é um processo natural e,para se comentar com estampas de crueldade,é necessário pleno conhecimento da prática,da cultura,e o por que dos combates entre galos,Observem,não há interferência do homem,o galo e o homem se identificam em um só,”homem e animal’,é uma cultura presente no mundo e,não há forma inteligível para afirmar que,os criadores as criam para praticar a crueldade,é uma questão persecutórias para com essas aves,e que diante de um outro da sua espécie as tornam fascinantes combatentes,guerreiros fantásticos,numa linda movimentação,descrevendo a magia da natureza.O galo não é definido por uma luta,muitos fatores se agregam,e a criação é inexplicável,une o homem e animal desde o nascimento.O galo combatente, já tem consolidado o mínimo de tempo de vida(2 anos),caso não ocorra fatalidades,podendo viver até 17 anos,conforme relatos orgulhoso de seu proprietário.Diferente de outras classificações,30 dias/6 meses,e etc,a natureza é tão sábia,ao ponto de fascinar o homem,garantindo assim a preservação dessas aves,e em toda sua plenitude.Não se vê portanto,necessidade de trata-las tão severamente a ponto de executa-las, sumariamente.Galo é um animal maravilhoso,não é um bandido de alta periculosidade,é um animal pequeno,e que gosta muito, do amor que é dado a eles,deveriam ser criados em cada quintal,demonstrando respeito a natureza,em toda sua plenitude.Imaginem, a bel prazer de contraditores,transformar um pastor alemão, num dócil cão,tirando toda característica a qual se destina,algo abominável!. O legislador deveria criar uma lei determinando a sua preservação,inconteste,obedecendo normas técnicas etc,não a execução,tirando o direito de propriedade,e desobedecendo a lei.Crie-os, e vão amá-los ,caso não,vão compreendê-los ,que é o que espero de toda sociedade justa.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *