HU transmite cirurgia em alta resolução e revoluciona ensino da Medicina

cirurgia-hu-com-lavid-2

A transmissão de cirurgias com tecnologia Ultra HD, também conhecida por 4 k, veio para revolucionar o ensino da Medicina no Brasil a partir da Paraíba. Um sistema desenvolvido no Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital (Lavid), da UFPB, permitiu transmitir ao vivo hoje (30), do Hospital Universitário de João Pessoa para Brasília, um delicado procedimento corretivo nos lábios de uma mulher.

A cirurgia, de reconstrução lábio-palatina, foi realizada na Sala 11 do Bloco Cirúrgico do HU e assistida na sede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), em Brasília, pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros. Simultaneamente, alunos e professores acompanharam toda a operação no auditório do hospital.

cirurgia-hu-com-lavid-4

O potencial e as funcionalidades da tecnologia foram demonstrados em cerca de duas horas de projeção, tempo de duração da cirurgia, realizada em uma mulher jovem, portadora de fissura labiopalatal, uma má formação congênita. Além da transmissão das imagens em altíssima resolução, a comunicação bilateral entre os públicos foi realizada com sucesso.

Teleconferência

Enquanto visualizava os procedimentos da equipe médica, o ministro participou de uma teleconferência, ressaltando para os públicos que se encontravam em diferentes cidades a importância desse projeto para a formação de profissionais de saúde e intercâmbio de informações entre equipes multiprofissionais. Do mesmo modo, as pessoas que estavam no auditório do HU tinham acesso às imagens projetadas em 4K e podiam participar da teleconferência.

cirurgia-hu-com-lavid-3

O sistema que tornou possível a captação e transmissão de imagens em 4K, uma definição quatro vezes superior a da TV digital brasileira, é chamada Fogo Player, um conjunto de softwares criados pela equipe do Lavid e que já vem sendo testado com sucesso em universidades do Brasil e do exterior.

O projeto na UFPB, coordenado pelo professor Guido Lemos, fundador do Lavid, vem sendo desenvolvido desde 2011 com apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP/MCTI). Mas seu teste principal se deu dois anos depois, em 10 de dezembro 2013, envolvendo a visualização simultânea e ao vivo, em salas de projeção de Brasília e de San Diego, na Califórnia (EUA), de cirurgias que estavam sendo realizadas em hospitais universitários de quatro cidades brasileiras.

À época, os procedimentos foram realizados pelos hospitais universitários federais de Brasília (HU-UnB), de Porto Alegre (HCPA/UFRGS), do Espírito Santo (HUCAM/UFES) e do Rio Grande do Norte (HUOL/UFRN).

A equipe que atuou no registro e projeção do procedimento cirúrgico de hoje é integrada pelo professor Erick Melo , do IFPB e Lavid; pelos profissionais de Informática Giuliano Maia, Sindolfo Miranda e Manoel Gomes, da empresa Dynavideo, e Victor Igor, da REPAD; pelos pesquisadores do Lavid João Martins, Bruno Correia e Rafael Toscano. A captação das imagens foi realizada com uma câmera Blackmagic Ursa e o projetor é da marca UHD Sony.

Centros de formação

O Brasil tem hoje 50 hospitais universitários federais vinculados a 35 universidades públicas. Todos podem ter acesso à  infraestrutura de rede e equipamentos para filmar, transmitir e visualizar procedimentos médicos com resolução 4 k.

Esses hospitais, mesmo em meio às dificuldades de recursos e deficiência de equipamentos, funcionam como importantes centros de formação de recursos humanos na área e prestam apoio ao ensino, à pesquisa e à extensão das instituições federais de ensino superior às quais estão vinculados.

Além disso, no campo da assistência à saúde, os hospitais universitários federais são centros de referência de média e alta complexidade para o Sistema Único de Saúde (SUS).

  • (Com Assessorias do CI/UFPB e EBSERH)

Comente HU transmite cirurgia em alta resolução e revoluciona ensino da Medicina

  1. Rejane Nóbrega Disse:

    Maravilha! !

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *