Justiça manda prender, pela segunda vez, ex-prefeito da Paraíba acusado de lavar dinheiro com criptomoedas

Ex-prefeito já foi condenado a 41 anos durante a Operação Dublê. Ele também é investigado pelo MPF na Operação Recidiva

Foto: Ascom

Preso desde novembro do ano passado, quando foi alvo da 4ª Fase da Operação Recidiva do Ministério Público Federal (MPF), o ex-prefeito da cidade de Catingueira, José Edivan Félix, teve mais uma vez a prisão preventiva decretada pela Justiça. Dessa vez a decisão foi do juiz Rafael Chalegre do Rego Barros, da 14ª Vara Federal, e atende um pedido feito por procuradores do MPF. A prisão tem por base uma outra denúncia apresentada contra o ex-gestor de lavagem de dinheiro com a utilização de criptomoedas.

No pedido o MPF alegou a necessidade de preservação da instrução processual e a ordem pública, como fundamentos para a nova prisão. “O presente pedido de prisão preventiva fundamenta-se na garantia de ordem pública e garantia da instrução processual, conforme entendimento do MPF (id. 4058205.5249253). Todavia, entendo pelo deferimento da prisão preventiva com base, apenas, na garantia da ordem pública”, decidiu o magistrado.

De acordo com a ação penal (nº 0800197-65.2020.4.05.8205), o acervo patrimonial de José Edivan Félix é maior do que o declarado por ele e encontra-se ocultado em nome de terceiros, com parte tendo sido construída entre os anos de 2005 a 2012 (quando ele era prefeito). O MPF afirma que o ex-prefeito teria lavado dinheiro através de criptomoedas, consórcios e aquisição de veículos.

Foto: reprodução

 

Confira na íntegra a decisão

Condenações e desvios

Nas ações judicais da Operação Dublê o ex-prefeito Edivan Félix já foi condenado a 41 anos de prisão pela prática dos crimes de organização criminosa, fraude licitatória e desvios de recursos públicos. De acordo com o Ministério Público Federal, os valores que teriam sido desviados pelo acusado e outros investigados somam mais de R$ 7,7 milhões. José Edivan Félix está preso no presídio regional de Patos. O blog ainda não conseguiu contato com os advogados dele.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *