Polícia vai investigar cobrança de até R$ 5 mil por casas do Aluízio Campos, em Campina Grande

Cobranças teriam sido feitas antes do sorteio dos imóveis, por mulheres que se passavam por representantes da Seplan e de banco

Foto: Ascom

A Polícia Civil vai investigar denúncias de que duas mulheres teriam cobrado indevidamente por casas e apartamentos do Complexo Aluízio Campos, em Campina Grande. A denúncia relata que uma mulher, que se passava por representante da Secretaria de Planejamento do município, e uma outra, que afirmava ser funcionária de um banco, teriam cobrado até R$ 5 mil para garantir a inclusão de nomes no sorteio dos imóveis.

Em um boletim de ocorrência, um homem afirma ter pago R$ 3,5 mil por uma das casas. Mas a cobrança não teria sido isolada. Um grupo de outras pessoas também teria pago valores que chegaram a até R$ 5 mil por cada imóvel. Todos na falsa ilusão de receberem os imóveis e, claro, impulsionados pelo desejo de burlar os critérios estabelecidos pelo Programa de Habitação Popular.

Foto: reprodução

Um vídeo, publicado nas redes sociais, mostra o que seria uma reunião entre as pessoas ‘lesadas’ com o golpe e uma das mulheres, supostamente responsável pelas negociações.

O secretário de Planejamento do município, Tovar Correia Lima, informou que uma sindicância também vai apurar as denúncias. “Não existe essa servidora aqui na Secretaria. Na verdade foi um golpe. Vamos hoje à tarde na Polícia Civil e na Polícia Federal para ajudarmos também e levarmos todos os vídeos, os print’s e áudios porque não há qualquer relação do golpe com a Secretaria”, assinalou.

O Complexo Aluízio Campos 

As obras do Complexo Aluízio Campos foram iniciadas em 2015 e mais de R$ 330 milhões foram investidos. São 4,1 mil moradias em uma área que é maior que dezenas de cidades paraibanas. As casas e apartamentos foram entregues no dia 11 de novembro do ano passado, com a presença do presidente Jair Bolsonaro. O sorteio dos imóveis aconteceu em agosto de 2019, no Parque do Povo, com o acompanhamento de representantes do Ministério Público Federal.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *