Após ‘tsunami’ político de 2019, Assembleia Legislativa retorna quarta com pauta superlotada

Deputados devem votar Reforma da Previdência e PB Saúde, mas terão pela frente debates sobre a Calvário e outras denúncias

Foto: Ascom

O ano de 2019 não foi fácil para a classe política paraibana. Boa parte dela acabou sendo envolvida, direta ou indiretamente, em investigações policiais, delações e denúncias feitas pelo Ministério Público. Na Assembleia, o ano terminou com uma deputada estadual presa (e depois liberada pela ‘Casa’) e uma pauta ‘interrompida’ pelos desdobramentos da Operação Calvário – que apura desvios milionários na Saúde e Educação do Estado.

A partir da próxima quarta-feira (05), os deputados paraibanos retornam aos trabalhos e terão pela frente a análise de projetos importantes, como a criação da nova Fundação que vai administrar os hospitais paraibanos, a PBSaúde; e a votação da Reforma da Previdência estadual, que estabelece um aumento na alíquota de contribuição dos servidores públicos de 11% para 14%.

Um outro tema que entrará na ‘ordem do dia’ dos deputados é o reajuste dos servidores públicos estaduais. O Governo anunciou um aumento de 5% nos salários para todos os ativos e inativos, mas algumas categorias pedem um ‘plus’ nesse índice. No caso da Segurança Pública, 14 entidades estão percorrendo o Estado em mobilização, sob o argumento de que os salários estão há anos defasados.

Foto: Ascom

Além disso, o debate em torno dos reflexos das operações ‘Calvário’, ‘Xeque-mate’ e de outras denúncias apresentadas na Justiça contra agentes políticos inevitavelmente irá fazer parte das discussões. Some-se ainda, claro, o fato deste ano ser de eleições municipais. “Os projetos que focam a qualidade de vida do povo serão prioridade”, avisou o presidente da ‘Casa’, deputado Adriano Galdino.

“Começamos 2020 com muitas pautas importantes na mesa. Temos a reforma da previdência, a PB Saúde, e diversas outras questões que exigirão de nós muito esforço”, observou a presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia, deputada Pollyanna Dutra.

Oposição quer iniciar debate sobre impeachment

Foto: Ascom

O deputado Wallber Virgolino (Patriotas) já avisou: no início dos trabalhos vai entrar com um pedido de impeachment do governador  João Azevêdo. Ele argumenta que os fatos revelados nas investigações da Operação Calvário justificariam o afastamento.  Minoria na ‘Casa’, é bem provável que a oposição não tenha forças para impulsionar a medida.

“Vamos pedir o impeachment e em paralelo a isso a gente defende que o governador mantenha o diálogo com os servidores públicos e não coloque para a Assembleia a responsabilidade. É preciso que esses temas sejam debatidos com a sociedade, que é a maior interessada em ter serviços de qualidade sendo oferecidos”, comentou Virgolino.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *