Esquema da Calvário distribuiu propina para Efraim Filho e mais 5 deputados da Paraíba, diz Livânia

Confira lista dos deputados estaduais que teriam recebido dinheiro. Hugo Motta e Nabor Wanderley também foram citados

Foto: Reprodução TV Paraíba

O conteúdo ‘explosivo detonado’ pela ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, em sua delação premiada no âmbito da Operação Calvário, chegou ao Legislativo paraibano. Em um dos trechos de seu depoimento, a ex-secretária relata a distribuição de propina para o deputado federal Efraim Filho (Democratas) e para 5 deputados estaduais da Paraíba. Na delação, Livânia ainda cita o deputado federal Hugo Motta (Republicanos) e o pai dele, Nabor Wanderley, como possíveis intermediários de um contrato da Empasa.

No caso de Efraim Filho, Livânia afirma que o acordo estabelecia o pagamento de R$ 2 milhões para ele manter o apoio ao projeto de reeleição do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), em 2014. Metade do dinheiro, segundo Livânia, teria sido entregue pelo ex-secretário do Governo Ivan Burity, preso durante as investigações da Operação Calvário. Já o deputado federal Hugo Motta e o pai dele, o deputado estadual Nabor Wanderley (Republicanos), seriam possivelmente intermediários de um contrato da Empasa, em 2018.

Mais adiante, Livânia revela como aconteceria a distribuição de recursos para outros deputados estaduais paraibanos. Ela relata que haveria o rateio de R$ 1,6 milhão entre os deputados Edmilson Soares (Podemos), Branco Mendes (Podemos), Lindolfo Pires (Podemos), Tião Gomes (Avante) e Genival Matias (Avante), além de Artur Cunha Lima Filho (Arturzinho), suplente de deputado estadual e filho do conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado, Arthur Cunha Lima.

Todos os deputados citados negam que receberam quaisquer recursos de caixa 2 para suas campanhas ou propina. O blog não conseguiu contato com o conselheiro do TCE-PB Artur Cunha Lima, nem com o filho dele, Artur Cunha Lima Filho.

Veja os vídeos da delação:

 

Confira os trechos do depoimento:

 

 

 

 

Dinheiro para campanha de Lucélio Cartaxo

Além dos deputados, a ex-secretária de Administração do Estado também revelou que o secretário de Desenvolvimento Urbano de João Pessoa, Zennedy Bezerra, teria recebido R$ 300 mil do esquema. Os recursos seriam utilizados na campanha do então candidato ao Senado, Lucélio Cartaxo, na campanha de 2014. Zennedy nega ter recebido os valores e disse estar à disposição da Justiça.

“Fui surpreendido com fatos inverídicos mencionados em delação premiada, no âmbito da Operação Calvário, pela ex-secretária Livânia Farias. Defendo as investigações empreendidas pelo Ministério Público e pela justiça e me coloco à disposição para qualquer esclarecimento que se faça necessário”, afirmou.

Notas dos deputados citados:

Hugo Motta e Nabor Wanderley
É com extrema surpresa e repúdio que recebemos a informação quanto à citação dos nossos nomes em trecho da delação da ex-secretária de Estado, Livânia Farias.
Afirmamos que não cometemos nenhuma irregularidade e que as ações citadas pela delatora na referida investigação não são verdadeiras. Garantimos ainda que a nossa atuação político-parlamentar é pautada pela honestidade, seriedade, responsabilidade e compromisso com a população paraibana.
Aguardaremos os trâmites processuais com absoluta confiança no Poder Judiciário. Estamos à disposição da Justiça para esclarecer quaisquer fatos e desde já disponibilizamos nosso sigilo bancário e fiscal.
À população e à imprensa da Paraíba, enfatizamos nosso comprometimento com a verdade, serenidade e confiança na Justiça.

Genival Matias

Em primeiro lugar, quero deixar claro que confio e apoio as investigações da Operação Calvário em todas as suas fases, porém, me causou surpresa a citação sem provas do meu nome em depoimento, sobre uma suposta entrega de recursos.

Afirmo que não tenho qualquer participação nesses fatos e tenho a tranquilidade de não ter recebido absolutamente nada além do que foi declarado oficialmente no período eleitoral.

Estou à disposição da Justiça para esclarecer quaisquer fatos e desde já disponibilizo meu sigilo bancário e fiscal.

Sigo confiando na justiça e respeitando às instituições.

Tião Gomes

Rechaço com veemência toda e qualquer citação inverídica que aponta recebimento de recursos ilegais por minha pessoa. Estou indignado, mas absolutamente tranquilo que a verdade será restabelecida. Em 40 anos de atuação na vida pública, tendo oito mandatos de deputado, nunca me envolvi em nenhum ato ilícito e meu patrimônio é condizente com minha realidade. Neste momento, coloco-me inteiramente à disposição da Justiça, mesmo sabendo que meu nome não está inserido entre os investigados.

Nunca tratei qualquer assunto sobre recursos com o deputado Edmilson Soares e tampouco autorizei que alguém tratasse ou recebesse valores em meu nome.

Coloco meu sigilo bancário, telefônico e fiscal à inteira disposição, reafirmando que nossas campanhas foram realizadas dentro da lei e feitas com dinheiro limpo tendo todas as contas aprovadas pela justiça eleitoral. Portanto, nada devemos e nada tememos. Confiamos na Justiça.

Branco Mendes

Durante toda a minha vida sempre procurei me nortear pelos princípios da ética, moralidade, verdade e transparência. Tanto é verdade que nesses quase 30 anos de vida pública não tenho uma mancha, processo ou conta rejeitada. Posso andar de cabeça erguida em qualquer lugar, pois prezo por valores sagrados, pelos ensinamentos dos meus saudosos pais e, principalmente, pela admiração das minhas três filhas.

Não abaixarei a minha cabeça um minuto, pois não serão acusações irresponsáveis e mal interpretadas que macularão o maior patrimônio que conquistei na vida, que são a minha honra, seriedade e a vontade de fazer o BEM pelos paraibanos. Digo tudo isso sem hipocrisia e sem medo algum. Seguirei firme nos meus propósitos e crenças, tendo a certeza de que o tempo há de restabelecer toda a verdade.

Efraim Filho

Tomei ciência pela imprensa da citação do meu nome, nas investigações em curso, como que no ano de 2014 tivesse recebido ajuda de campanha para apoiar a chapa do então governador. Absolutamente nego essa ilação feita contra mim, sem apresentar uma prova ou sequer uma data. As contas da minha eleição 2014 foram analisadas, julgadas e aprovadas pela justiça eleitoral.

Ao rechaçar totalmente essa inverídica acusação, e mesmo sem estar no rol de investigados pela operação, coloco meu sigilo bancário, telefônico e fiscal a disposição da justiça. Quem não deve não teme.

Lindolfo Pires

Sobre o conteúdo do depoimento da Senhora Livânia Farias, amplamente divulgado pela imprensa e nas redes sócias, informo que:

Em toda a minha vida pública, sempre respeitei estritamente os limites legais para utilização de recursos em campanhas eleitorais, tendo prestação de contas aprovadas pela justiça eleitoral, e jamais permiti arrecadação fora dos ditames da lei.

Todo meu patrimônio é compatível com a minha renda e eu nunca usei de quaisquer dos meus mandatos para enriquecer ilicitamente, sendo inverídica a qualquer versão que teria recebido recursos ilícitos.

Lamento profundamente envolvimento de meu nome da forma irresponsável ocorrida, mas sigo confiante e apoiando as investigações da Operação Calvário em todas as suas fases com a certeza que os fatos serão devidamente esclarecidos.

Edmilson Soares

Uma história de vida dedicada a educação e voltada para servir ao povo nos vários mandatos de vereador e deputado não pode e não vai servir para jogos políticos rasteiros. Incluir meu nome nestas Operação Calvário, sempre provas, é um atentado a verdade e um desrespeito ao bom fazer político que norteia minha vida pública. São acusações levianas e irresponsáveis, de modo que tem o meu repudio em absoluto e total.

Reitero a minha lisura e conduta pautada na honestidade, seriedade e responsabilidade ao longo destes mais de 24 (vinte e quatro) anos dedicados à vida pública, sobretudo quando nunca recebi qualquer penalidade administrativa ou penal advinda de qualquer ato ilícito, porquanto sempre atuei dentro das determinações legais e constitucionais.

Sempre estive e vou está a disposição da justiça, confio no Poder Judiciário e no Ministério Público para trazer à tona a verdade real dos fatos e estou à disposição para quaisquer esclarecimentos imprescindíveis ao restabelecimento da verdade.

Em votações no Congresso, bancada da Paraíba vota com Governo Bolsonaro em 2019

Cinco dos 12 deputados federais têm índices de ‘alinhamento’ com projetos do Governo superiores a 90%

Foto: Ascom

Ideologias à parte, a maioria da bancada federal da Paraíba no Congresso Nacional votou favorável aos projetos apresentados pelo Governo Bolsonaro em 2019. É o que revela um estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Na Câmara Federal, cinco dos deputados registram índices superiores a 90% de votações de acordo com o Palácio do Planalto.

Já no Senado, Daniella Ribeiro (Progressista) e José Maranhão (MDB) também aparecem com índices de ‘alinhamento’ superiores a 90%. O levantamento é fruto do cruzamento de dados da Câmara Federal e do Senado com informações e projetos apresentados pelo Governo – e está disponível no site parlametria.org/home.

Dos 12 deputados federais paraibanos, apenas Frei Anastácio (PT), Damião Feliciano (PDT) e Gervásio Maia (PSB) se posicionaram com índices contrários ao Governo inferiores a 50%. Eles são de partidos que fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro e, em muitas situações, ‘fecharam questão’ nas votações. Já o senador Veneziano Vital (PSB), que também integra uma legenda oposicionista no âmbito nacional, aparece com um índice de ‘alinhamento’ de 72%.

Confira o ranking:

Senado

Daniella Ribeiro (Progressista) – 97%

José Maranhão (MDB) – 95%

Veneziano Vital (PSB) – 72%

Câmara

Julian Lemos (PSL) – 99%

Efraim Filho (DEM) – 98%

Aguinaldo Ribeiro (Progressista) – 95%

Pedro Cunha Lima (PSDB) – 94%

Edna Henrique (PSDB) – 91%

Wilson Santiago (PTB) – 90%

Ruy Carneiro (PSDB) – 90%

Wellington Roberto (PL) – 86%

Hugo Motta (Republicanos) – 62%

Damião Feliciano (PDT) – 25%

Gervásio Maia (PSB) – 17%

Frei Anastácio (PT) – 15%)

Insatisfeito com PSL, deputado faz campanha para criação do novo partido de Bolsonaro

Deputado Moacir Rodrigues (PSL) acredita em debandada de lideranças do PSL para nova legenda

Foto: Pleno Poder

Há tempos insatisfeito com o PSL, o deputado estadual paraibano Moacir Rodrigues (PSL) não esconde de ninguém que irá deixar o seu atual partido, o PSL, para acompanhar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em uma nova legenda. Nas redes sociais, Moacir tem participado, inclusive, de campanhas para a coleta de assinaturas que possibilitem a criação do novo partido – o Aliança pelo Brasil.

Ele já pediu na Justiça a sua saída do PSL e acredita em debandada de lideranças políticas da legenda, após a criação do Aliança. “Não somente eu vou deixar o partido, mas também o deputado cabo Gilberto e outras lideranças”, comentou.

Quando o novo partido do presidente Bolsonaro estiver formalmente criado, Moacir não pensará duas vezes e deve aproveitar a oportunidade para deixar o PSL – sem o risco de perder o mandato. Além da nova legenda, ele espera, claro, ocupar o ‘vácuo’ de ser um dos representantes do presidente no Estado.

 

Homem que profetizou ‘fim do mundo’ é homenageado com nome de rua em Campina Grande

Empresário Roldão Mangueira era líder do movimento ‘Borboletas Azuis’ e acreditava no ‘fim dos tempos’ em 1980

Foto: Semanário Oficial

Um dos eventos mais ‘pitorescos’ da história de Campina Grande foi o surgimento do movimento dos ‘Borboletas Azuis’, no fim da década de 1960. Os seus membros se vestiam de azul e branco e eram liderados pelo empresário Roldão Mangueira de Figueiredo, do ramo algodoeiro. Na década de 1970 o grupo pregava o ‘fim dos tempos’, que aconteceria em 13 de maio de 1980.

Na época a cidade de Campina Grande ‘parou’ para esperar o momento e chegou a ser destaque em reportagens nacionais, abordando o tema. O mundo acabaria com o surgimento de uma grande bola de fogo nos céus e 120 dias de chuva que iriam destruir a cidade e o restante do planeta.

O ‘fim do mundo’, felizmente, não aconteceu. Roldão Mangueira faleceu anos depois e, agora, o nome dele será homenageado em uma das novas ruas de Campina Grande. A homenagem foi aprovada pela Câmara de Vereadores do município e publicada no Semanário Oficial, no último dia 29 de dezembro.

Além de Roldão, dezenas de outros nomes também foram dados a novas ruas da cidade. Mas, pela lenda popular em torno do ‘movimento’, a rua Roldão Mangueira de Figueiredo certamente poderá atrair a curiosidade e as superstições dos campinenses.