MPF denuncia prefeito de Ibiara e mais dois em ‘esquema’ investigado na Recidiva

Jornalista Bruno Pereira, investigado na 4ª fase da Operação, não foi denunciado pelo MPF. Ele não teria conhecimento da fraude

Operação é coordenada pelo MPF em Patos

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o prefeito da cidade de Ibiara, Francisco Nenivaldo de Sousa, o engenheiro Sérgio Pessoa Araújo e o autônomo Francisco Amilton de Sousa Júnior, por suspeita de envolvimento em um ‘esquema’ de fraudes na execucão de dois convênios entre a prefeitura e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa). De acordo com as investigações, os convênios somariam R$ 1 milhão e seriam destinados a melhorias sanitárias em domicílios, mas os desvios teriam ocorrido já na elaboração do projeto executivo das obras – orçado em R$ 32 mil.

A prefeitura do município teria contratado a empresa SPA serviços, projetos, assessoria, criação e produção de camarão, peixes e crustáceos LTDA para elaboração do projeto. O empreendimento seria administrado (de fato) por Sérgio Pessoa Araújo. Os recursos para elaboração do projeto teriam sido recebidos e repassados aos investigados. O prefeito Francisco Nenivaldo, segundo o MPF, teria recebido R$ 13 mil.

Na denúncia, o MPF considera que o jornalista Bruno Pereira Vieira, que chegou a ser investigado durante a 4ª fase da Operação Recidiva, não tinha conhecimento das fraudes. Ele não foi denunciado pelo MPF. Bruno era assessor de comunicação da prefeitura de Ibiara e foi afastado das funções.

Confira trecho da denúncia:

 

 

A 4ª fase da Recidiva

A ação foi desencadeada no fim do mês passado e cumpriu 15 mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e empresas, além de 5 mandados de prisão e 1 mandado de afastamento de função pública. As licitações fraudadas ultrapassam o valor de 5,5 milhões de reais e foram realizadas nas cidades de Ibiara, Santo André, Catingueira e Triunfo.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *